Ranieri Mazzilli

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ranieri Mazzilli
Ranieri Mazzilli
Ranieri Mazzilli em outros projetos:

Pascoal Ranieri Mazzilli (Caconde, 27 de abril de 1910 — São Paulo 21 de abril de 1975) foi um advogado, jornalista e político brasileiro, tendo sido presidente do Brasil em dois momentos: de 25 de agosto de 1961 a 7 de setembro de 1961 e 2 de abril de 1964 a 15 de abril de 1964.


"Desejo informar à Nação que se, nas duas casas do Congresso, houverem por bem reconhecer os motivos invocados na mensagem, me considero incompatibilizado para candidatar-me em substituição do Sr. Jânio Quadros no exercício efetivo da presidência da República. Estou certo de que a Nação há de reconhecer que a atual conjuntura exigirá de mim o mais nobre e alto desinteresse pelas investiduras pessoais, ao lado do sagrado dever de defender as instituições democráticas."

- Ranieri Mazzilli, citado em: SOUZA, Wornei Almeida de. A República e A História Dos Presidentes do Brasil. Discovery Publicações, 2017.

Sobre[editar]

  • "Sob uma aparência de normalidade, foi empossado o presidente da Câmara, Ranieri Mazzilli. Mas, na realidade, naquele final de março e em 1º de abril de 1964 estava se instaurando o primeiro regime militar no Brasil, que duraria até o começo dos anos 80."
- professor Boris Fausto [1]
  • "A intervenção militar nas entidades de esquerda foi imediata. Dias depois do presidente da Câmara Ranieri Mazzilli tomar posse, o Alto Comando Revolucionário do Exército tratou de pôr termo à várias entidades e instituições que colaboravam com o governo de João Goulart e com a euforia por ele permitida. O Iseb foi fechado a partir de um decreto do governo federal e a UNE foi colocada na clandestinidade, tendo sua sede no bairro de Botafogo (RJ) destruída por um incêndio."
- Rodrigo Czajka, in Redesenhando Ideologias: Cultura e Política em Tempos de Golpe [2]
  • "No dia 1º de abril de 1964, na farda sempre amarrotada do velho general, acordou o jovem capitão Costa e Silva. Negaceara com a insurreição, mas, uma vez na cadeira de ministro da Guerra, fechou o tempo. Intitulou-se comandante do Exército, desacatou governadores, humilhou o presidente Ranieri Mazzilli dizendo que não lhe devia subordinação."
- Elio Gaspari, in A Ditadura Envergonhada