Saltar para o conteúdo

Arthur da Costa e Silva

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Arthur da Costa e Silva
Arthur da Costa e Silva
Nascimento 3 de outubro de 1899
Taquari (Estados Unidos do Brasil)
Morte 17 de dezembro de 1969
Rio de Janeiro (ditadura militar brasileira)
Cidadania Brasil
Alma mater
  • Academia Militar das Agulhas Negras
Ocupação político, Militar, ditador
Prêmios
  • Grand Cross of the Order of the Southern Cross
  • Grã-Cruz da Ordem Real do Mérito Norueguês
  • Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo
  • Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada
  • Ordem de Santo Olavo
Causa da morte enfarte do miocárdio
Assinatura

Arthur da Costa e Silva (Taquari, 3 de outubro de 1902Rio de Janeiro, 17 de dezembro de 1969) foi um militar e político brasileiro. Foi presidente da república de 1967 até 1969.


  • "A revolução veio para permanecer".
- Arthur Costa e Silva, citado em: Tancredo, Grandes Líderes - Nova Cultural
  • "O poder é como um salame, toda vez que você o usa bem, corta só uma fatia, quando o usa mal, corta duas, mas se não o usa, cortam-se três e, em qualquer caso, ele fica sempre menor."
- Arthur da Costa e Silva, citado em: GASPARI, Elio. A ditadura escancarada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
  • "Meus senhores, eu convoquei o Conselho de Segurança Nacional, que é o órgão consultivo do governo, da Presidência da República, para colocá-los, a todos os membros, em parte de um problema que se apresenta com uma gravidade muito grande e que deve ser equacionado e resolvido dentro, com a maior tranqüilidade de espírito e a maior isenção de ânimo. O presidente da República [tosse], que se considera ainda um legítimo representante da Revolução de 1964, 31 de março, vê-se em um momento crítico, em que ele tem que tomar uma decisão optativa: ou a Revolução continua ou a Revolução se desagrega."
- Início do seu voto na votação do AI-5: [1]

Sobre[editar]

  • "No dia 1º de abril de 1964, na farda sempre amarrotada do velho general, acordou o jovem capitão Costa e Silva. Negaceara com a insurreição, mas, uma vez na cadeira de ministro da Guerra, fechou o tempo. Intitulou-se comandante do Exército, desacatou governadores, humilhou o presidente Ranieri Mazzilli dizendo que não lhe devia subordinação."
- Elio Gaspari, in A Ditadura Envergonhada