Saltar para o conteúdo

Paulo Henrique Amorim

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Paulo Henrique Amorim
Paulo Henrique Amorim
باولو أموريم في المؤتمر الوطني الأول للتواصل الاجتماعي سنة 2009.
Nascimento 22 de fevereiro de 1942
Rio de Janeiro
Morte 10 de julho de 2019
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação jornalista, blogueiro
Causa da morte enfarte do miocárdio
Página oficial
http://www.paulohenriqueamorim.com.br/

Paulo Henrique Amorim (1942 - 2019) foi um jornalista brasileiro.


Verificadas[editar]

Frases ditas no programa de televisão Tudo a Ver[editar]

Este artigo ou secção não cita as suas fontes ou referências. Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes.
  • "Olá, tudo bem?"
no início do programa
  • "Está na hora da Patrícia destilar o seu veneno"
anunciando a enquete de Patrícia Maldonado
  • "O Tudo a Ver volta já... já!"
anunciando o intervalo
  • "Veja agora as principais notícias do dia, tudo em 30 segundos e nada mais."
  • "Agora, nessa... Você não vai acreditar."
  • "Hmmm... O Cosme precisa saber disso!"
anunciando a charge final
  • "E ainda não acabou. Tem a última!"
anunciando a charge final
  • "Boa noite e boa sorte..."
no fim do programa

Do seu blog Conversa Afiada[editar]

  • "Tentar desqualificar Dilma do ponto de vista intelectual e político faz parte da ideologia pigo-tucana supor que os trabalhistas são despreparados e o Serra e o FHC uma combinação de Albert Einstein com Winston Churchill."
Fonte: Conversa Afiada
  • "Agora a Urubóloga corta os pulsos"
Referindo-se a Miriam Leitão
  • "ENEM: a banda larga para o pobre entrar na universidade"
  • "O Vesgo do Pânico tem mais chance de ser Presidente do Brasil do que o Padim Pade Cerra."
Referindo-se a José Serra.

Outras[editar]

  • "O Bolsonaro é Palmeiras, Botafogo ou ele é Flamengo? ‘Uma vez Flamengo, Flamengo até morrer’. Breve!"
- Em sua conta no Instagram, 14/06/2019. [1]
  • "Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista"
sobre a imprensa brasileira e sua parcialidade.