Wikiquote:Tema em destaque/2013/Outubro

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

04 de outubro[editar]

Lounging extra actors.jpg
RomanO-01.png
CIOSIDADE (do latim otiosĭtas): inatividade, estado de quem está ocioso.


Citações sobre o tema[editar]

- Adelina Lopes Vieira na poesia "O ramo verde"
- Nicholas Valentin de Latena citado em Revista Caras, Edição 676.
  • "A reputação é um apêndice ocioso e enganador, obtido muitas vezes sem merecimento e perdido sem nenhuma culpa".
- William Shakespeare in: Otelo, Ato II - Cena III: Iago
  • "Quanto mais coisas a gente faz, mais tempo tem para fazê-las; quanto menos coisas faz, menos tempo tem. Os ociosos nunca têm um minuto para si mesmos."
- Plus on Fût de choses, plus on a du temps pour en faire. Moins on en fait, moins on en a : les oisifs n'ont jamais une minute à eux
- Maurice Sachs, citado em "Chronique des années de crise: l'économie marocaine entre conjonctures et structures"‎ - Página 124, de Abderrahim El Badaoui - Publicado por Edition Affaires communales, 1989 - 178 páginas


17 de outubro[editar]

Frederick Leighton - Memories.jpg
RomanM-01.png
EMÓRIA é a capacidade de reter, recuperar, armazenar e evocar informações disponíveis, seja internamente, no cérebro (memória humana), seja externamente, em dispositivos artificiais (memória artificial).


Citações sobre o tema[editar]

  • "Os jovens têm a memória curta e os olhos para ver apenas o nascer do sol; para o poente olham apenas os velhos, aqueles que viram o ocaso tantas vezes".
- Giovanni Verga in: "I Malavoglia"
  • "...não há estado de alma, por mais simples que seja, que não mude a cada instante, pois não há consciência sem memória, não há continuação de um estado sem adição, ao sentimento presente, da lembrança de momentos passados. Nisto consiste a duração. A duração interior é a vida contínua de uma memória que prolonga o passado no presente, seja porque o presente encerra distintamente a imagem incessantemente crescente do passado, seja, mais ainda porque testemunha a carga sempre mais pesada que arrastamos atrás de nós, à medida que envelhecemos. Sem esta sobrevivência do passado no presente, não haveria duração, mas somente instantaneidade"
- Henri Bergson in: "Introdução à Metafísica"
- The true art of memory is the art of attention.
- The idler - Página 123, Samuel Johnson - Printed for T. Davies, 1767