Thomas More

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Thomas More
Thomas More
Thomas More em outros projetos:

São Thomas More, por vezes latinizado em Thomas Morus ou aportuguesado em Tomás Moro ( Londres, 7 de fevereiro de 1478 - Londres, 6 de julho de 1535) foi por um breve período o Lord Chancellor (alto cargo governativo) da Inglaterra do Rei Henrique VIII e teve uma reputação europeia de um autor humanista.


  • Pela sentença o réu era condenado "a ser suspenso pelo pescoço" e cair em terra ainda vivo. Depois seria esquartejado e decapitado. Em atenção à importância do condenado o rei, "por clemência", reduziu a pena a "simples decapitação". Ao tomar conhecimento disto, Tomás comentou: "Não permita Deus que o rei tenha semelhantes clemências com os meus amigos." No momento da execução suplicou aos presentes que orassem pelo monarca e disse que "morria como bom servidor do rei, mas de Deus primeiro."
  • De Morus teria dito Erasmo: "É um homem que vive com esmero a verdadeira piedade, sem a menor ponta de superstição. Tem horas fixas em que dirige a Deus suas orações, não com frases feitas, mas nascidas do mais profundo do coração. Quando conversa com os amigos sobre a vida futura, vê-se que fala com sinceridade e com as melhores esperanças. E assim é More também na Corte. Isto, para os que pensam que só há cristãos nos mosteiros."
- (João Paulo II, (31.10.2000) ao proclamá-lo patrono dos governantes).
Humanismo
Petrarca | Gianozzo Manetti | Lorenzo Valla | Marsilio Ficino | Erasmo de Roterdão | François Rabelais | Pico de La Mirandola | Thomas Morus | João Calvino