Saltar para o conteúdo

Erasmo de Rotterdam

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
(Redirecionado de Erasmo de Roterdão)
Erasmo de Rotterdã
Erasmo de Rotterdã
Erasmo de Rotterdã
Wikipédia
Wikimedia Commons
Wikisource
Projeto Gutenberg
Domínio Público.br

Desiderius Erasmus von Rotterdam (Roterdã, 27 de outubro de 1466 - Basileia, 12 de julho de 1536) foi um humanista e teólogo holandês.


" A felicidade é alcançada quando a pessoa está pronta para ser o que ela é."

- Citado em o Livro da Filosofia (pg. 97) - Editora Globo - ISBN 978-85-250-4986-5

Elogio da Loucura[editar]

  • "Pois o que é a vida senão uma peça em que todos desempenham um papel até que a cortina caia?"
  • "Duas coisas, sobretudo, impedem que o homem saiba ao certo o que deve fazer: uma é a vergonha, que cega a inteligência e arrefece a coragem; a outra é o medo, que, indicando o perigo, obriga a preferir a inércia a ação."
  • "O espírito do homem é feito de maneira que lhe agrada muito mais a mentira do que a verdade. Fazei a experiência: ide à igreja, quando aí estão a pregar. Se o pregador trata de assuntos sérios, o auditório dormita, boceja e enfada-se, mas se, de repente, o zurrador (perdão, o pregador), como aliás é frequente, começa a contar uma história de comadres, toda a gente desperta e presta a maior das atenções."
  • "Não haveria, pois, diferença alguma entre os sábios e os loucos, se não fossem mais felizes estes últimos. Sim, porque estes o são por dois motivos: o primeiro é que a felicidade dos loucos não custa nada, bastando um pouquinho de persuasão para formá-la; o segundo é que os meus loucos são mais felizes mesmo quando estão juntos com muitos outros. Ora, é impossível gozar um bem quando se está sozinho."
  • "E foi por essa razão que o grande Arquiteto do Universo proibiu que o primeiro e lindo par de esposos, por ele feitos e unidos em matrimônio, provassem o fruto da árvore da ciência do bem e do mal , sob pena de sua desgraça e morte. É a melhor prova de que a ciência é o veneno da felicidade."
  • "É a natureza, que, procedendo com sabedoria, deu às crianças um certo ar de loucura, pelo qual elas obtêm a redução dos castigos dos seus educadores e se tornam merecedoras do afeto de quem as tem ao seu cuidado. Ama-se a primeira juventude que se sucede à infância, sente-se prazer em ser-lhe útil, iniciá-la, socorrê-la."
  • "Segundo a definição dos estóicos o sábio é aquele que vive de acordo com as regras da razão prescrita, e o louco, ao contrário, é o que se deixa arrastar ao sabor de suas paixões."
  • "Notai, de passagem, o privilégio que têm os bobos de poder falar com toda a sinceridade e franqueza."

Atribuídas[editar]

- Como citado in: Citações da Cultura Universal - Página 243, Alberto J. G. Villamarín - Editora AGE Ltda, 2002, ISBN 8574970891, 9788574970899, 574 páginas
- Como citado in: Aprendiz de mim: um bairro que virou escola - Página 53, Rubem Alves - Papirus Editora, 2004, ISBN 8530807553, 9788530807559, 128 páginas



Humanismo
Petrarca | Gianozzo Manetti | Lorenzo Valla | Marsilio Ficino | Erasmo de Roterdão | François Rabelais | Pico de La Mirandola | Thomas Morus | João Calvino