Luís Roberto Barroso

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís Roberto Barroso
Luís Roberto Barroso
Luís Roberto Barroso em outros projetos:

Luís Roberto Barroso (Vassouras, 11 de março de 1958) É um juiz do supremo indicado pelo PT.


  • "Temos um presidente [Jair Bolsonaro] que defende a ditadura e a tortura".
- Fonte: O Estado de S. Paulo — 26 de agosto de 2020
  • “Embora frequentemente atacada pelo próprio presidente, a imprensa no Brasil é plural, independente e fortemente crítica do governo. Tanto este, eu diria, como dos governos anteriores. Portanto, uma coisa que acho que contribui com esta resiliência da democracia no Brasil é justamente a liberdade, independência e até o poder da imprensa brasileira”.
- Fonte: O Estado de S. Paulo — 26 de agosto de 2020
  • "A maioria do TSE decidiu que o repasse proporcional para candidaturas negras só deve valer para 2022. O adiamento dos efeitos não reduz a importância do que fizemos: com atraso, mas não tarde demais, empurramos a história na direção da justiça racial".
- Em sua conta no Twitter
- Fonte: Conta de Luís Roberto Barroso no Twitter (@LRobertoBarroso) — 25 de agosto de 2020
  • "Não podemos fechar os olhos para as campanhas de destruição das instituições orquestradas e financiadas por milícias digitais".
- Fonte: O Estado de S. Paulo — 11 de agosto de 2020
  • "O Estado é um Rei Midas ao contrário."
- Em relação as privatizações
- Fonte: História oral do Supremo (1988-2013), v.11: Luis Roberto Barroso
  • "Cesare Battisti não praticou nenhum crime hediondo, não foi acusado da prática de crime hediondo e a categoria crime hediondo não existia no Brasil em 1979 quando os fatos relevantes ocorreram. E em segundo lugar, não houve ato de terrorismo; a decisão italiana não acusa de terrorismo: essa é uma forma de desqualificar, mas não houve atentado indiscriminado. Ele é acusado, a sua organização, de quatro homicídios contra agentes contrarrevolucionários que eram inimigos do proletariado: crimes pontuais, nenhuma imputação de terrorismo".
- Julgamento Conjunto: Ext 1085 e MS 27875. Supremo Tribunal Federal, 11 de setembro de 2009.
- Fonte: Vídeo no YouTube: youtube.com/watch?v=ALaRB5OaUlk