Voltaire

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Voltaire
Voltaire
Voltaire em outros projetos:

Voltaire, pseudónimo de François-Marie Arouet (Paris, 21 de Novembro de 1694 - 30 de Maio de 1778), foi um poeta, ensaísta, dramaturgo, filósofo e historiador iluminista francês. Ele defendia a liberdade de ser e pensar diferente.


- le travail éloigne de nous trois grands maux : l'ennui, le vice, et le besoin
- Candide. in: Oeuvres complètes - Volume 8 - Página 412, Voltaire, chez A. Houssiaux, 1853
  • "Deus concedeu-nos o dom de viver; compete-nos a nós viver bem."
- Dieu nous a donné le vivre; c'est à nous de nous donner le bien vivre.
- Le sottisier: suivi des Remarques sur le Discours sur l'inégalité des conditions et sur le Contrat social - página 76, Voltaire - Garnier, 1883 - 334 páginas
  • "Se Deus não existisse, então seria necessário inventá-lo".
- Si Dieu n'existait pas il faudrait l'inventer.
- Collection complette des oeuvres de Voltaire: Volume 22 - Página 406, Voltaire - 1771
  • "A alma é um fogo que convém alimentar, que se apaga se não a alimentarmos".
- L'ame est un feu qu'il faut nourrir Et qui s'éteint s'il ne s'augmente.
- Collection complette des oeuvres de Mr. de Voltaire: Mélanges de poésies, de littérature, d'histoire et de philosophie - Página 162, Voltaire - Cramer, 1757
  • "Quem prova demais não prova nada."
- Qui prouve trop, ne prouve rien.
- Remarques fur Rodugme, in: Oeuvres completes de Voltaire - Volume 50 de Oeuvres completes de Voltaire - Página 538, Voltaire - mpr. de la Société littéraire-typographique, 1784
  • "Acreditar em milagres é um absurdo, equivale de certo modo a desonrar a Divindade."
- "Dicionário Filosófico", p. 248, 2. ed., São Paulo: Abril Cultural, 1978.
  • " Meus amigos, uma falsa ciência gera ateus, mas a verdadeira ciência leva os homens a se curvar diante da divindade..."
- Mes amis, une fausse science fait les athées: une vraie science prosterne l'homme devant la Divinité...
- " Les A, B, C ou Dialogues entre A, B, C, 1768"
  • "Os homens que comem carne e tomam beberagens fortes têm todos um sangue azedo e adusto, que os torna loucos de mil maneiras diferentes. Sua principal demência se manifesta na fúria de derramar o sangue de seus irmãos e devastar terras férteis, para reinarem sobre cemitérios."
- A Princesa da Babilônia, Capitulo III
  • " É verdade que há entre vós muitas mulheres que continuam falando a seus cães; mas estes resolveram não responder, desde que os forçaram, às chicotadas, a ir à caça e ser cúmplices da matança dos nossos velhos amigos comuns, os cervos, os gamos, as lebres e as perdizes."
- A Princesa da Babilônia, Capitulo III
  • "Os voluptuosos careiam companheiros de devassidão. Os interesseiros reúnem sócios. Os políticos congregam partidários. O comum dos homens ociosos mantém relações. Os príncipes têm cortesãos. Só os virtuosos possuem amigos."
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 23. ISBN 85-7232-508-5
  • "[...] Para chamar belo a alguma coisa é preciso que nos cause admiração e prazer."
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 54. ISBN 85-7232-508-5
  • "Todos os que se disseram filhos de deuses foram os pais da impostura. Serviram-se da mentira para ensinar verdades, eram indignos de a ensinar, não eram filósofos, eram, quando muito, mentirosos cheios de prudência."
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 232. ISBN 85-7232-508-5
  • "Os filósofos sempre foram perseguidos por fanáticos. Será possível, no entanto, que os homens de letras se imiscuam também e eles próprios aticem contra os seus confrades as armas com que todos são trespassados, uns após outros?"
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 235. ISBN 85-7232-508-5
  • "O preconceito é uma opinião sem julgamento. Assim em toda terra inspiram-se às crianças todas as opiniões que se desejam antes que elas as possam julgar."
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 428. ISBN 85-7232-508-5
  • "Como é que um homem pode se tornar senhor de outro homem e por que espécie de incompreensível magia pôde esse homem se tornar senhor de muitos outros homens?"
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 462. ISBN 85-7232-508-5
  • "Que é virtude? Beneficência para com o próximo."
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 481. ISBN 85-7232-508-5
  • "Filósofo, amante da sabedoria, ou seja, da verdade."
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 232. ISBN 85-7232-508-5
  • "Que ingenuidade, que pobreza de espírito, dizer que os animais são máquinas privadas de conhecimento e sentimento, que procedem sempre da mesma maneira, que nada aprendem, nada aperfeiçoam! (...) Bárbaros agarram esse cão que tão prodigiosamente vence o homem em amizade, pregam-no em cima de uma mesa e dissecam-no vivo para mostrarem-te suas veias mesentéricas. Descobres nele todos os mesmos órgãos de sentimentos de que te gabas. Responde-me maquinista, teria a natureza entrosado nesse animal todos os órgãos do sentimento sem objetivo algum? Terá nervos para ser insensível? Não inquires à natureza tão impertinente contradição."
- Voltaire, Dicionário Filosófico. (Em resposta a Descartes)
  • "A história não passa de um quadro dos crimes e dos infortúnios"
- Voltaire, O Ingênuo, X, apud RÓNAI, Paulo. Dicionário Universal Nova Fronteira de Citações. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. p. 437.
  • "As opiniões causaram mais males do que a peste ou terremotos neste pequeno nosso mundo".
- Carta para Élie Bertrand (1759-01-05)
  • "Um historiador é um tagarela que arrelia os mortos."
- Voltaire, Le Sotissier apud RÓNAI, Paulo. Dicionário Universal Nova Fronteira de Citações. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. pp. 442-443.
  • "Admiramo-nos do pensamento; mas o sentimento é igualmente maravilhoso."
- Voltaire, Dicionário Filosófico. São Paulo: Editora Martin Claret, 2002. p. 464. ISBN 85-7232-508-5
  • “Não é aos homens que me dirijo, é a ti, Deus de todos os seres, de todos os homens e de todos os tempos (…). Que as pequenas diferenças entre as vestimentas que cobrem nossos fracos corpos, entre nossos costumes ridículos, entre todas as nossas leis imperfeitas, entre todas nossas opiniões insensatas (…) que todas essas pequenas nuances que distinguem os átomos chamados homens não sejam motivos de perseguição.”
- Voltaire, Tratado Sobre a Tolerância, 1763, in Historie.
  • "O segredo de aborrecer é dizer tudo."
- Le secret d'ennuyer est celui de tout dire.
- Oeuvres complètes de Voltaire - Correspondance Particulière‎ - Vol. 12, Página 146, de Voltaire, Jean-Antoine-Nicolas de Caritat Condorcet, Marie Jean Antoine Nicolas Caritat de. - Condorcet, Alexandre Marie Goujon - Publicado por T. Desoër, 1817
  • "O abuso da graça é afetação; o abuso do sublime, absurdo. Toda perfeição é um defeito."
- l'abus du sublime est l'ampoulé: toute perfection est près d'un défaut.
- Dictionnaire philosophique‎ - Página 560, de Voltaire - Publicado por Cosse et Gaultier-Laguionie, 1838 - 948 páginas
  • "Que é então o perseguidor? É aquele cujo orgulho ferido e o fanatismo em furor irritam o príncipe ou magistrados contra homens inocentes, cujo único crime consiste em não serem da mesma opinião."
- Quel est le persécuteur? c’est celui dont l’orgueil blessé et le fanatisme en fureur irritent le prince ou les magistrats contre des hommes innocents, qui n’ont d’autre crime que de n’être pas de son avis.
- Dictionnaire philosophique‎ - vol. 6, Página 391, de Voltaire, Adrien Jean Quentin Beuchot - publicado por Lequien fils, 1829
  • "As paixões são como ventanias que enchem as velas dos navios; às vezes elas oprimem, mas sem elas não poderia navegar"
- On parla des passions. Ah! qu'elles sont funestes! disait Zadig. Ce sont les vents qui enflent les voiles du vaisseau, repartit l'ermite: elles le submergent quelquefois; mais sans elles il ne pourrait voguer.
- "Zadig - Histoire Orientale" in: "Oeuvres complètes de Voltaire", Volume 18‎ - Página 164, Voltaire - Pourrat Frères, 1831
- Les préjugés, ami, sont les rois du vulgaire.
- L'esprit de Monsieur de Voltaire ...‎ - Página 135, Voltaire - 1760 - 298 páginas
  • "Os homens que procuram a felicidade são como os embriagados que não conseguem encontrar a própria casa, apesar de saberem que a têm."
- Les hommes qui cherchent le bonheur sont comme des ivrognes qui ne peuvent trouver leur maison, mais qui savent qu'ils en ont une.
- Voltaire; Page:Voltaire - Œuvres complètes Garnier tome32.djvu/614
- Le mensonge n'est un vice que quand il fait du mal ; c'est une très grande vertu quand il fait du bien.
- Oeuvres complètes (correspondência de 21 de outubro de 1736) - Volume 11, Página 218, Voltaire - Firmin Didot,1869
- L'amitié est le mariage de l'âme, et ce mariage est sujet à divorce.
- "Amitié" in Œuvres complètes de Voltaire - Volume 31, Página 244, Voltaire - Impr. de la Société littéraire-typographique, 1785
- Le mariage est la seule aventure ouverte aux lâches
- Voltaire citado em "Épreuve, non vendue" - Página 82, Claudec, 2007, ISBN 2952911312, 9782952911313
  • "Todas as grandezas desse mundo não valem um bom amigo."
- Toutes les grandeurs de ce monde ne valent pas un bon ami.
- Contes de Guillaume Vadé - Página 101, Voltaire - Cramer, 1764 - 386 páginas
- Dieu de me dén livrer de mes amis; quant à mes ennemis, je m'en charge
- Voltaire citado em "La Vie de Voltaire" - página 393, Theophile Imarigeon Duvernet, F. Buisson, 1797
  • "Quando se trata de dinheiro, todos têm a mesma religião.
- Quand il s'agit d'argent, tout le monde est de la même religion.
- Œuvres complétes: Lettes inédites - Página 226, Voltaire - Antoine-Augustin Renouard, 1822
  • "Aquilo a que chamamos acaso não é, não pode deixar de ser, senão a causa ignorada de um efeito conhecido".
- Ce que nous appellons hazard n'est, & ne peut être que la cause ignorée d'un effet connu.
- Questions sur l'Encyclopedie,: distribuées en forme de dictionnaire - Página 282, Voltaire - 1771
  • "O acaso é uma palavra sem sentido. Nada pode existir sem causa."
- Le hasard est un mot vide de sens; rien ne peut exister sans cause
- Œuvres complètes de Voltaire - Página 302, Voltaire, Pierre Augustin Caron de Beaumarchais, Jean-Antoine-Nicolas de Caritat Condorcet (marquis de) - 1785
  • "O mundo me intriga. Não posso imaginar que este relógio exista e não haja relojoeiro".
- L'univers m'embarrasse, et je ne puis songer Que cette horloge existe , et n'ait point d'horloger
- Oeuvres complètes, Volume 1 - página 55, Voltaire, A. Ozanne, 1838
  • "A leitura engrandece a alma".
- La lecture agrandit l'âme
- L'ingénu,: histoire veritable. Tirée des manuscrits du Pere Quesnel - Página 45, Voltaire, Pasquier Quesnel - 1767 - 89 páginas
- Nous sommes tous pétris de faiblesse & d'erreurs ; pardonnons-nous réciproquement nos sotises, c'est la premiere loi de la Nature.
- Dictionnaire philosophique - página 304, Voltaire, 1765
- Le doute n'est pas une condition agréable, mais la certitude est absurde.
- Voltaire in: Carta a Frederick II da Prussia (6 de abril de 1767)
- les préjugés sont la raison des sots
- Nouvelle edition de la Religion naturelle: Poëme en quatre parties - Página 23, Voltaire - 1756 - 78 páginas
  • "É melhor correr o risco de salvar um homem culpado do que condenar um inocente".
- Il vaut mieux hasarder de sauver un coupable que de condamner un innocent.
- Œuvres complètes de Voltaire: Volume 44 - Página 25, Voltaire, Pierre Augustin Caron de Beaumarchais, Jean-Antoine-Nicolas de Caritat Condorcet (marquis de) - Impr. de la Société littéraire-typographique, 1785
  • "Todo o homem é culpado do bem que não fez."
est coupable de tout le bien qu'il ne fait pas.
- Le siecle de Louis XIV. - Página 60, Voltaire - 1752 - 479 páginas

Mal atribuídas[editar]

  • "Eu desaprovo o que dizes, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo."[1]
    • Variante: "Eu não concordo com uma palavra do que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las"
- largamente utilizada e creditada a Voltaire, esta frase é de Evelyn Beatrice Hall, que a utilizou em correspondência com o ensaísta.[2]
  • "O homem só será livre quando o último rei for enforcado nas tripas do último padre"
- Na verdade de Jean Meslier (1664-1729), um cura da comuna francesa de Étrépigny, no livro Extrait des sentiments de Jean Meslier, editado por Voltaire[3]

Atribuídas[editar]

  • "O repouso é uma boa coisa mas o tédio é seu irmão."
- Repose is a good thing, but boredom is its brother.
- Voltaire citado em Fair Game: A Young Girl's Odyssey Through the Not-So-Fabulous Fifties - Página 135, Fran Gabino - Savage Press, 2001, ISBN 1886028524, 9781886028524 - 406 páginas


Question book-3.svg Este artigo ou secção não cita as suas fontes ou referências. Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes.
  • "Eu acredito no Deus que criou os homens, e não no Deus que os homens criaram."
  • "A dose faz o veneno."
  • " Se eles tivessem linguagem humana, seriamos capazes de os matar e comer? Deveríamos cometer estes fratricídios? Que bárbaro abateria e assaria uma ovelha, se essa ovelha invocasse, num pedido afectuoso, que não fosse assassino e canibal ao mesmo tempo?"
  • "É difícil libertar os tolos das amarras que eles veneram".
  • "Todo aquele que desconfia, convida os outros a traí-lo."
  • "O valor dos grandes homens mede-se pela importância dos serviços prestados à humanidade."
  • "Excelente crítico seria o artista que tivesse muita ciência e muito gosto, sem preconceitos e sem invejas."
  • "A guerra é o maior dos crimes, mas não existe agressor que não disfarce seu crime com pretexto de justiça."
  • "Encontra-se oportunidade para fazer o mal cem vezes por dia e para fazer o bem uma vez por ano."
  • "A arte da medicina consiste em distrair enquanto a Natureza cuida da doença."
  • "A perfeição da própria conduta consiste em manter cada um a sua dignidade sem prejudicar a liberdade alheia."
  • "Para que discutir com os homens que não se rendem às verdades mais evidentes? Não são homens, são pedras."
  • "Tenho um instinto para amar a verdade; mas é apenas um instinto."
  • "Uma coletânea de pensamentos é uma farmácia moral onde podemos encontrar a cura dos mais diversos males."
  • "Como é horrível odiarmos quem desejávamos amar."
  • "O meu ofício é dizer o que penso."
  • "Devemos julgar um homem mais pelas suas perguntas que pelas respostas."
  • "Todos têm suas penas, sejam reis ou pastores, sejam cães ou carneiros."
  • "Acontece com os livros o mesmo que com os homens, um pequeno grupo, desempenha um grande papel."
  • "O sucesso sempre foi a criação da ousadia."
  • "Existirá alguém tão esperto que aprenda pela experiência dos outros?"
  • "Uma discussão prolongada significa que ambas as partes estão erradas."
  • "Se queres conversar comigo, define primeiro os termos que usas."
  • "Todos nós sofremos, mas o falar nos dá alívio."
  • "A necessidade obrigatória de falar e o embaraço de nada ter para falar são duas coisas capazes de tornar ridículo ainda mesmo o maior homem."
  • "Os letrados isolados foram pessoas de letras que mais serviços prestaram ao reduzido número de entes pensantes espalhados pelo mundo. Verdadeiros sábios encerrados em seus gabinetes que não argumentaram nos bancos das universidades nem disseram as coisas pela metade nas academias. E esses infelizes letrados têm sido quase todos perseguidos. É constituída de tal maneira a nossa miserável espécie, que aqueles que marcham em caminhos já batidos atiram pedras aos que ensinam um novo caminho."
  • "Sozinho, nenhum homem pode garantir-se contra o mal e promover seu próprio bem. Carece de auxílio. Daí que a sociedade é tão antiga quanto o mundo, podendo ser bastante numerosa ou pulverizada, rara. Com uma freqüência inusitada as revoluções do globo destruíram raças inteiras de homens e de animais em vários países, e as multiplicaram em outros."
  • "Pode ser que não estejamos de acordo com as idéias dos outros, mas devemos estar dispostos a morrer para defender a liberdade de todas as idéias".
  • "O povo não lê nada. O povo trabalha seis dias por semana e no sétimo vai ao prostíbulo."
- Em resposta a quem disse que seus escritos corrompiam o povo
  • "O trabalho afasta de nós três grandes males: o aborrecimento, o vício e a necessidade!"
  • "A falsa ciência gera ateus; a verdadeira ciência leva os homens a se curvar diante da divindade."
  • "O trabalho é, na maioria das vezes, pai do prazer."
  • "Os homens devem ter corrompido um pouco a natureza, pois não nasceram lobos e acabaram se tornando lobos."
  • "É muito perigoso ter razão em assuntos sobre os quais as autoridades estabelecidas estão completamente equivocadas."
  • "Aos vivos deve-se o respeito, aos mortos não se deve senão a verdade."
  • "Uma única palavra posta fora do lugar estraga o pensamento mais bonito."
  • "Um ditado esperto não prova nada."
  • "Antigas histórias não são mais do que fábulas sobre as quais as pessoas concordam."
  • "Os homens usam o pensar somente para justificar os seus maus feitos, e a palavra somente para esconder seus pensamentos."
  • "É claro que um indivíduo que persegue um homem, seu irmão, porque ele não tem a mesma opinião, é um monstro."
  • "O homem nasceu para a ação, tal como o fogo tende para cima e a pedra para baixo."
  • "A ridícula situação de alguém que critica o que confessa nunca ter lido, já é suficiente para desqualificar a sua crítica."
  • "Entendo e quase invejo a gentil e inocente alegria dos comuns, mas amo a angústia de ser incomum."
  • "A única diferença entre um tigre e um ser humano é que o primeiro mata e estraçalha por fome e instinto, enquanto que o segundo mata por parágrafos!"
  • "A razão é filha do tempo e tudo espera de seu pai."
  • "O bom humor é incompatível com a crueldade."
  • "É perigoso estar certo quando o governo está errado."
  • "A religião começou quando o primeiro patife conheceu o primeiro tolo."

Erroneamente atribuídas[editar]

  • "Deus é um comediante entretendo uma platéia com medo demais para rir."
    • "Creator — A comedian whose audience is afraid to laugh." — H.L. Mencken, A Book of Burlesques‎ (1920), p. 203. e A Mencken Chrestomathy (1949), Ch. 30

Sobre[editar]

  • Era uma daquelas existências anônimas, entomológicas, como existem em certo imóveis, onde se fica sabendo, no fim de quatro anos, que existe um velho senhor no quarto andar que conheceu Voltaire, Pilastre de Rosier, Beaujou, Marcel, Mole, Sophie Arnould, Franklin e Robespierre.”
- Balzac; A Prima Bete
  • "Voltaire disse que o céu nos tem dado para contrabalançar as muitas dificuldades da vida, duas coisas: a esperança e sono".
- Voltaire sagte, der Himmel habe uns zum Gegengewicht gegen die vielen Mühseligkeiten des Lebens zwei Dinge gegeben: die Hoffnung und den Schlaf.
- Sämmtliche Werke, Volume 4 (kritik der urtheilskraft und beobachtungen uber das gefuhl der schonen und erhabenen), página 209-210, Immanuel Kant, Leopold Voss, 1838

Referências

  1. A Contradição: Helvétius; Cápitulo 7, pág. 199.
  2. The friends of Voltaire, Evelyn Beatrice Hall. Smith Elder & co., 1906; 303 páginas.
  3. O último rei e o último padre Giba Assis Brasil, Terra Magazine. Publicado em 3 de agosto de 2006.
Iluminismo
John Locke | David Hume | Edward Gibbon | Adam Smith | Immanuel Kant | Moses Mendelssohn | Gotthold Ephraim Lessing | Marquês de Pombal | Voltaire | Ernest Gellner