Georges Sorel

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Georges Sorel
Georges Sorel
Georges Sorel em outros projetos:

Georges Eugène Sorel (2 de novembro de 184729 de agosto de 1922), engenheiro formado pela École Polytechnique, foi um teórico francês do sindicalismo revolucionário, muito popular em seu país, assim como na Itália e nos Estados Unidos.


Citações[editar]

  • Não tenho razão alguma para supor que Lenin tirou suas ideias de meus livros; mas se isso for verdade, eu não deveria ter o menor orgulho por ter contribuído para o desenvolvimento intelectual de um homem que me parece ser ao mesmo tempo o maior teórico do socialismo desde Marx e um estadista cujo gênio lembra o de Pedro, o Grande.
    I have no reason to suppose that Lenin gained his ideas from my books; but if that were true, I should be not a little proud of having contribute to the intellectual development of a man who seems to me to be at once the greatest theoretician of socialism since Marx and a statesman whose genius recalls that of Peter the Great.
    Fonte: “For Lenin”, Soviet Russia, Official Organ of The Russian Soviet Government Bureau, Vol. II, New York: NY, January-June 1920 (April 10, 1920), p. 356.
  • Lenin talvez esteja orgulhoso do que seus camaradas estão fazendo; os trabalhadores russos estão adquirindo glória imortal na tentativa de realizar o que era até então apenas uma ideia abstrata...
    Lenin may be proud of what his comrades are doing; the Russian workers are acquiring immortal glory in attempting the realization of what hitherto had been only an abstract idea...
    Fonte: “For Lenin”, Soviet Russia, Official Organ of The Russian Soviet Government Bureau, Vol. II, New York: NY, January-June 1920 (April 10, 1920), p. 356.
  • Mussolini é um homem não menos extraordinário do que Lenin. É, também, um gênio político, de maior envergadura do que todos os estadistas da época, com a única exceção de Lenin...
    Mussolini is a man no less extraordinary than Lenin. He, too, is a political genius, of a greater reach than all the statesmen of the day, with the only exception of Lenin...
    Fonte: The Myth of the Nation and the Vision of Revolution: The Origins of Ideological Polarization in the 20th Century, Jacob L. Talmon, University of California Press (1981) p. 451. Sorel’s March 1921 conversations with Jean Variot, published in Variot’s Propos de Georges Sorel, (1935) Paris, pp. 53-57
  • Mussolini não é um socialista comum. Você o verá um dia, talvez, como líder de um batalhão consagrado, saudando as bandeiras da Itália com sua espada. Ele é um italiano do século XV, um condottiere. Não há outro homem, senão ele, com o necessário vigor para remediar a fraqueza do governo.
    Mussolini is not an ordinary socialist. You will perhaps see him one day as a leader of a consecrated battalion, saluting the flags of Italy with his sword. He is an Italian of the fifteenth century, a condottiere. He is the only man with the strength to correct the weakness of the government.
    Fonte: The Genesis of Georges Sorel, James H. Meisel, Ann Arbor, Wahr (1951), p. 220, n. 21
  • Todo o futuro do socialismo reside no desenvolvimento autônomo dos sindicatos de trabalhadores.
    All the future of socialism resides in the autonomous development of workers’ syndicates.
    Fonte: Essays in Political Philosophy, Vidya Dhar Mahajan, Doaba House, Lahore, 1943 p. 41

Citações sobre Sorel[editar]

  • Sorel, o dreyfusard, acabou se transformando em um amargo anti-semita, convocando a Europa a se defender do perigo judeu da mesma forma que a América lutava contra o perigo amarelo; ele culpava os membros judeus do partido bolchevique pelo terror chekista.
- Jacob Talmon in: The Myth of the Nation and the Vision of Revolution: The Origins of Ideological Polarization in the 20th Century, University of California Press, 1981. ISBN 0436513994, ISBN 9780436513992. p. 474
  • Sorel declarou que a teoria de Marx era `a maior inovação na filosofia em séculos; era o ponto de partida de uma transformação frutífera na nossa forma de especulação. Todas as nossas ideias deveriam se concentrar em torno dos novos princípios do socialismo científico`.
- Zeev Sternhell, com Mario Sznajder, Maia Asheri, in: The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution, Princeton, New Jersey, Princeton University Press, 1994. ISBN 0691044864, ISBN 978-0691044866. p. 39
  • Sorel (...) se lançou em uma longa e violenta campanha antissemita. Assinou um longo artigo louvando Urbain Gohier, o mais festejado dos antissemitas vivos, a quem encorajava a continuar `sustentando que a França deve defender o seu estado, os seus costumes, e as suas ideias contra os invasores judeus que querem dominar tudo`.
- Zeev Sternhell, com Mario Sznajder, Maia Asheri, in: The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution, Princeton, New Jersey, Princeton University Press, 1994. ISBN 0691044864, ISBN 978-0691044866. p. 85
  • A nascente ideologia do Fascismo derivava o seu conteúdo básico inicial da síntese sindicalista-nacionalista. Essa síntese não seria possível sem a contribuição original de Sorel, que havia pregado o ódio à herança do século XVIII, por Voltaire e Rousseau, pela Revolução Francesa, pelo racionalismo e pelo otimismo, pela democracia liberal e pela sociedade burguesa.
- Zeev Sternhell, com Mario Sznajder, Maia Asheri, in: The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution, Princeton, New Jersey, Princeton University Press, 1994. ISBN 0691044864, ISBN 978-0691044866. p. 90
  • Devo muito a Georges Sorel. Este mestre do sindicalismo, com suas teorias turbulentas de táticas revolucionárias, foi quem mais contribuiu para formar a disciplina, a energia e o poder das coortes fascistas.
- I owe most to Georges Sorel. This master of syndicalism by his rough theories of revolutionary tactics has contributed most to form the discipline, energy and power of the fascist cohorts.
- Benito Mussolini como citado em The New Inquisitions: Heretic-Hunting and the Intellectual Origins of Modern Totalitarianism, Arthur Versluis, Oxford University Press, 2006. ISBN 0195306376, ISBN 978-0195306378. p. 39.