Saltar para o conteúdo

América Latina

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.

América Latina (em espanhol: América Latina ou Latinoamérica; em francês: Amérique latine) é uma região do continente americano que engloba os países onde são faladas, primordialmente, línguas românicas (derivadas do latim) — no caso, o espanhol, o português e o francês — visto que, historicamente, a região foi maioritariamente dominada pelos impérios coloniais europeus Espanhol e Português.



  • "Eu me sinto tão patriótico da América Latina, de qualquer país da América Latina, como mais e, no tempo necessário, estaria disposto a dar a minha vida para a libertação de todos os países da América Latina, sem pedir nada a ninguém sem exigir nada, sem explorar ninguém. "
- Me siento tan patriota de Latinoamérica, de cualquier país de Latinoamérica, como el que más y, en el momento en que fuera necesario, estaría dispuesto a entregar mi vida por la liberación de cualquiera de los países de Latinoamérica, sin pedirle nada a nadie, sin exigir nada, sin explotar a nadie
- "Ernesto" Che "Guevara (14 de maio de 1928 - 9 de outubro de 1967), político, escritor, jornalista e médico argentino-cubano.
- como citado in: De Ernesto al Che: el segundo y último viaje de Guevara por Latinoamérica - página 206, Volume 6 de Colección Historia urgente, Carlos Ferrer, Marea Editorial, 2005, ISBN 9872218145, 9789872218140, 217 páginas
  • "Os direitos humanos são violados em muitas partes, na América Latina, domingo, segunda e terça-feira."
- Los derechos humanos se violan en tantas partes, en América Latina, Domingo, lunes y martes
- Victor Jara como citado in: El imaginario de la revolución latinoamericana - Página 34, Javier Darío Fernández Ledesma - BoD – Books on Demand, 2014, ISBN 3639650204, 9783639650204, 56 páginas
  • "Sobre os povos da América Latina para baixo todos os ciclones, que proibiu os frutos de sangue jovem. Mas eles nunca poderiam cobrir os olhos, ou brincar com a voz do poeta.
- Sobre los pueblos de Latinoamérica caen todos los ciclones, prohibieron los frutos de la sangre joven. Pero nunca pudieron tapar la mirada, ni jugar con la voz del poeta
- Celeste Carballo (21 de setembro de 1956 -) cantor e compositor Argentina. Como citado in: Ciudad de Buenos Aires un recorrido por su historia - Página 88, 2009
  • "Antes, há muito tempo, eu via com protesto a obra colonizadora da Espanha; mas hoje a vejo com profunda admiração. A Espanha nos deu sua língua, sua civilização e seu sangue. Nós nos consideramos antes espanhóis, índios da América."
  • Augusto César Sandino[1]
  • "Já disse que a Conquista foi a última cruzada e que a grandeza espanhola começou com os conquistadores. Seu caráter de cruzada define a Conquista como um empreendimento essencialmente militar e religioso. Foi realizada conjuntamente por soldados e missionários... A A execução de Atahualpa, embora obedecesse apenas ao rudimentar maquiavelismo político de Pizarro, revestiu-se de motivos religiosos... Após a tragédia de Cajamarca, o missionário continuou a ditar zelosamente sua lei para a Conquista. O poder espiritual inspirou e administrou o poder temporal ...o cruzado, o cavaleiro, ele personificava uma era que estava acabando, a Idade Média católica.”
  • José Carlos Mariátegui[2]

"Os Reis Católicos agiram assim porque não havia diferenças entre um território americano e um território espanhol. Para aqueles reis e seus homens no governo, a América era o mesmo que Castela ou Aragão, não um império colonial destinado a enriquecer uma burguesia espanhola que não existia. Só podemos ser justos com os reis daquela época se nos situarmos em seu tempo e deixarmos de ver suas ações com os preconceitos de hoje. Se o Estado espanhol representasse uma conduta moral no Caribe diante dos excessos de seus súditos peninsulares, era devida porque antecipou-se ao seu próprio tempo histórico.No final do século XV e início do século XVI, o Estado espanhol continuou a defender os princípios religiosos que governaram a Cidade de Deus na Idade Média Europa, e nem os reis nem seus conselheiros teriam concebido que esses territórios ultramarinos pudessem ser entregues a companhias de mercadores para usá-los para fins privados, o que um século e um terço depois Inglaterra, Holanda e França fizeram."

«A obra civilizadora da Espanha realizada nas terras da América não tem paralelo na história. É único no mundo. Sua empresa teve o destino de uma verdadeira missão. Ela não veio para as Índias ansiosa pelo lucro e pronta para virar as costas e partir depois de espremer e saborear a fruta. Veio para que se cumprisse o mandato póstumo da Rainha Isabel de atrair os povos das Índias e convertê-los ao serviço de Deus e uma bela realidade. Ele veio para que esses povos pudessem se organizar sob o império da lei e viver pacificamente. Não aspiravam a destruir o índio, mas a conquistá-lo para a fé e a dignificá-lo como ser humano»

"A lenda negra anti-espanhola foi uma operação de propaganda montada e alimentada ao longo do tempo pelo protestantismo -especialmente em seus ramos anglicano e calvinista- contra o império espanhol e a religião católica para afirmar seu próprio nacionalismo, demonizando-os para aterrorizar e até mesmo privá-los de humanidade... [existem] exemplos abundantes de todos os tipos: tratados teológicos, livros de história, romances, documentários e filmes de ficção, histórias em quadrinhos, piadas e até piadas depois do jantar. Ele contribuiu para o comprimento e duração da lenda negra a indiferença com a qual o império espanhol, primeiro, e depois seus intelectuais, escritores e artistas, em vez de se defenderem, em muitos casos apropriaram-se da lenda negra, endossando seus excessos e invenções como parte de uma autocrítica feroz que fez da Espanha um país intolerante, machista, lascivo e em desacordo com o espírito científico e a liberdade."

"Graças a Deus, pelo nosso Povo e pelos povos americanos. Fomos forjados pela Espanha que, para além das contradições e limites da concepção histórica, nos deslumbra com as suas Leis das Índias, com as Ordenações de Alfaro, com a consciência missionária de uma mulher maravilhosa que a história chamaria Isabel a Católica. Sim, a mesma que fez Colombo devolver os índios que trouxera para a Europa, porque ninguém ousaria tratar assim os seus vassalos. Somos filhos de grande consciência. Porque A obra da Espanha na América , mais que uma empresa, foi uma Missão. Uma missão dos espanhóis que se dedicaram a estas terras com o que de melhor tinham: sua cultura e sua fé. Uma missão dos conquistadores que percorreram a pé em cinquenta anos o continente, fundando cidades e misturando-se destemidamente com os índios".




Referências

  1. Gullo Omoedo, Marcelo; "Nada por lo que pedir perdón. La importancia del legado español frente a las atrocidades cometidas por los enemigos de España", Espasa, Barcelona, 2022
  2. MARIÁTEGUI, José Carlos, 7 Ensayos de interpretación de la realidad peruana, Lima, Ed. Amauta, 1994, Págs. 169 y 170.
  3. Bosch, Juan; "De Cristóbal Colón a Fidel Castro", tomo I, Sarpe, Madrid, 1985, pág. 55.
  4. Gullo Omoedo, Marcelo; "Nada por lo que pedir perdón.La importancia del legado español frente a las atrocidades cometidas por los enemigos de España"
  5. https://www.lanacion.com.ar/opinion/leyendas-negras-horadan-poder-del-enemigo-nid2172654
  6. Gullo Omoedo, Marcelo; "Nada por lo que pedir perdón.La importancia del legado español frente a las atrocidades cometidas por los enemigos de España"p.348

Ligações externas[editar]

Ver também[editar]