Saltar para o conteúdo

Pedro II do Brasil

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Pedro II
Pedro II
Pedro II
Wikipédia
Wikimedia Commons

Dom Pedro II (Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Bragança e Habsburgo), (Rio de Janeiro, 2 de dezembro de 1825Paris, 5 de dezembro de 1891) foi o segundo e último Imperador do Brasil. D. Pedro II foi o sétimo filho de Dom Pedro I e da arquiduquesa Dona Leopoldina de Áustria. Sucedeu ao seu pai, que abdicara em seu favor para retomar a coroa de Portugal.

Pedro II governou de 1840, quando foi antecipada sua maioridade, até 1889 ano em que foi deposto com a proclamação da república. Além dos registro históricos e jornalísticos da época, Pedro II deixou à posteridade 5.500 páginas de seu diário registradas a lápis em 43 cadernos, além de correspondências, que nos possibilitam conhecer um pouco mais do seu perfil e pensamento.


Diários[editar]

Citações do Diário de Pedro II em: "CARVALHO, José Murilo de, Perfis Brasileiros - D. Pedro II, Companhia das Letras, São Paulo, 2007"

  • "Tenho espírito justiceiro e entendo que o amor deve seguir estes graus de preferência: Deus, humanidade, pátria, família e indivíduo."
  • "Louvam minha liberalidade, mas não sei por quê."
  • "Nasci para consagrar-me às letras e às ciências, e, a ocupar posição política, preferiria a de presidente da República ou ministro à de imperador."
  • "Jurei a Constituição, mas ainda que não a jurasse, seria ela para mim uma segunda religião."
  • "Nada devo, e quando contraio uma dívida cuido logo de pagá-la, e a escrituração das despesas de minha casa pode ser examinada a qualquer hora. Não ajunto dinheiro".
  • "É preciso trabalhar e vejo que não se fala quase senão em política que é as mais das vezes guerra entre interesses individuais".

Correspondências[editar]

  • "A política não é para mim senão o duro cumprimento do dever".
- carta ao conde Gobineau, de 1873
  • "Não lhe dou o direito de adoecer".
- carta ao Duque de Caxias, ao saber da intenção deste em declarar a guerra terminada.

Discursos e declarações[editar]

  • "A primeira necessidade da magistratura é a responsabilidade eficaz, e que enquanto alguns magistrados não forem para a cadeia, como, por exemplo, certos prevaricadores do Supremo Tribunal de Justiça, não se conseguiria esse fim".
- Em comentário ao Visconde de Sinimbu
  • "Os senhores são uns doidos!"
- Citado em Rezzutti, Paulo Dom Pedro II: A História Não Contada Exclamação dada no dia 17 de novembrode 1889, dia no qual fora exilado. O motivo de sua raiva, fora a retirada abrupta durante a madrugada.
  • "Não gosto das honras, que se despem com a casaca."
- Em resposta ao Barão de Paranapiacaba, citado em Citado em Rezzutti, Paulo Dom Pedro II: A História Não Contada, p. 143
  • "Ausentando-me, pois, com todas as pessoas de minha família, conservarei do Brasil a mais saudosa lembrança, fazendo os mais ardentes votos por sua grandeza e prosperidade"
- Despedida de D. Pedro ao povo brasileiro, em 16 de novembro de 1889, disponível em Textos políticos da história do Brasil, v. 2

Sobre[editar]

  • "Se o seu poder se igualasse a sua vontade, a escravidão desapareceria do Império de um só golpe".
- Louis Agassiz, em seu diário

Bibliografia[editar]

  • CARVALHO, José Murilo de, Perfis Brasileiros - D. Pedro II, Companhia das Letras, São Paulo, 2007 ISBN 9788535909692