Luiz Edson Fachin

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luiz Edson Fachin
Luiz Edson Fachin
Edson Fachin em outros projetos:

Luiz Edson Fachin (Rondinha, 8 de fevereiro de 1958) é um jurista e magistrado brasileiro.


2014[editar]

  • "Tenho, em minhas mãos, manifesto de centenas de juristas brasileiros que tomaram lado. Apoiamos Dilma para conseguirmos juntos a construção do governo que queremos. (...) Entendemos, portanto, que muito mais do que uma candidatura, o que está em jogo é o que foi conquistado. Por isso tudo, declaramos em conjunto o apoio a Dilma Rousseff. É hora de unirmos nossas forças no segundo turno. (...) Nós já decidimos: dia 31 de outubro, votamos Dilma Rousseff para Presidência do Brasil".
- Declarando voto em Dilma Rousseff à Presidência da República (Eleição presidencial de 2014) — Outubro de 2014
- Vídeo no YouTube: youtube.com/watch?v=KgCOfO75SD8

2020[editar]

  • É possível entender que o sentido da legitimidade eleitoral é violado quando uma autoridade religiosa realiza uma espécie de extorsão do consentimento, fazendo com que haja um direcionamento abusivo para uma determinada candidatura? É possível reconhecer o abuso de autoridade.
- Explicando porque defende punição por ‘abuso de autoridade religiosa’
- Fonte: Poder360 — 10 de agosto de 2020
  • As eleições presidenciais de 2022 podem ser comprometidas se não se proteger o consenso em torno das instituições democráticas. A defesa desse consenso em torno das instituições democráticas mostra um elemento imprescindível para a saúde da democracia. A escalada do autoritarismo no Brasil, após as eleições de 2018, agravou os males da saúde da democracia. O presente que vivenciamos, além de efeito da pandemia, também está tomado de surtos arrogantes e ameaças de intervenção. E por isto, infelizmente, o futuro está sendo contaminado de despotismo.
- Em evento organizado pelo Instituto Paranaense de Direito Eleitoral
- Fonte: G1 — 17 de agosto de 2020
  • É inadmissível a prática vexatória da revista íntima em visitas sociais nos estabelecimentos de segregação compulsória, vedado sob qualquer forma ou modo o desnudamento de visitantes e a abominável inspeção de suas cavidades corporais. E a prova a partir dela obtida é ilícita, não cabendo como escusa a ausência de equipamentos eletrônicos e radioscópicos.
- Fonte: G1 — 28 de agosto de 2020

2021[editar]

  • Eleições periódicas não constituem por si só o remédio para a bula democrática, mas elas são imprescindíveis. Portanto, diluir o processo eleitoral, diluir o sistema eleitoral, está criando um novo tipo de desertor no Brasil, que são os desertores da democracia, que se acham acima da Constituição, que atuam contra a Constituição e fora da Constituição.
- Em evento organizado pela Associação dos Juízes Federais, manifestando preocupação com os questionamentos recentes relativos ao sistema eletrônico de votação — 18 de junho 2021
- Fonte: Jovem Pan — 19 de junho de 2021