Gilberto Gil (álbum de 1969)

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gilberto Gil (álbum de 1969)
Gilberto Gil (álbum de 1969) em outros projetos:

Gilberto Gil (álbum de 1969) (Gilberto Gil, também conhecido com o sobrenome de "Cérebro Eletrônico", é o nome do terceiro álbum de estúdio do cantor e compositor brasileiro Gilberto Gil, lançado em 1969, pela Philips. O álbum traz, como seu antecessor, o rock psicodélico - forte característica do movimento tropicalista. Apesar da boa recepção do álbum, este só teve um single, considerado o primeiro grande sucesso de Gil, "Aquele Abraço", enquanto trazia um repertório de nove faixas, onde além da canção já citada, apenas "Cérebro Eletrônico" ganhou mais algum destaque, anos depois, com a regravação de Marisa Monte, em 1996. O b-side de "Aquele Abraço", "Omã Iaô", foi lançada como faixa bônus nos relançamentos, ao lado de canção compostas pelo próprio Gilberto Gil, Caetano Veloso[1] e Jorge Ben Jor[2] - esses dois últimos participam de "Queremos Guerra", de Jorge Ben Jor.


  • "Pois eu não estou aqui para pegar uma gripe danada, E no fim de semana Eu não poder ir ver A minha namorada"[3]
  • "Mas só se não fizer sol amanhã, Se chover também eu não vou sair de casa"[4]
  • "As vitrines são vitrines Sonhos guardados perdidos Em claros cofres de vidro"[5]
  • "Mundo do lado de fora Do lado de fora ilha A ilha terra distante Pequena esfera rolante A terra bola azulada Numa vitrine gigante O cosmo lotou a vitrine O cosmos de tudo nada De éter de eternidade De qualquer forma vitrine Tudo que seja ou que esteja Dentro e fora da Cabine A cosmonave nata Acoplados num fluido Uma vitrine gigante Lata forma de vitrine"[6]
  • "O cérebro eletrônico faz tudo, Faz quase tudo"[7]
Wikipedia-logo.png
A Wikipédia possui um artigo de ou sobre: Gilberto Gil (álbum de 1969).


Referências