Carolina Maria de Jesus

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carolina Maria de Jesus
Carolina de Jesus em outros projetos:

Carolina Maria de Jesus (Sacramento, 14 de março de 1914São Paulo, 13 de fevereiro de 1977) foi uma escritora brasileira.


  • Enquanto os outros me admiravam so uma coisa me entristecia e me preocupava. Eu lutava para ficar livre do pensamento poético que me impedia o sono. Percebi que andando de um lado para outro o pensamento poético dissipava um pouco (...) Quando sentia fome as ideias eram mais intensas (...) Creio que já familiarizei com essa miniatura de calvário. Quando percebo que estou exausta, sento com lápis na mão e escrevo.
Cinderela negra: a saga de Carolina de Jesus (1994, ed. UFRJ) apud Carolina Maria de Jesus: o estranho diário da escritora vira lata (2012, editora Horizonte), p. 95.
  • (...)

No inicio vêio adimiração
O meu nome circulou a Nação.
Surgiu uma escritora favelada.
Chama: Carolina Maria de Jesus.
E as obras que ela produs
Deixou a humanidade habismada
No inicio eu fiquei confusa.
Parece que estava oclusa
Num estôjo de marfim.
Eu era solicitada
Era bajulada.
Como um querubim.

Depôis começaram a me invejar.
Dizia: você, deve dar
Os teus bens, para um assilo
Os que assim me falava
Não pensava
Nos meus filhos.
(...)

escrito em 6 de novembro de 1961. Meu estranho diário (1996), p. 151-153
  • A senhora sumiu! Esta rica Rica! Palavra que eu tenho nojo de ouvir! Quando eu vêjo um pedaço de doce devorado pelas formiga penso. Este pedaço de docê coincide comigo. Depois que publiquei Quarto de despejo.
Meu estranho diário (1996), p. 142-143