A Gaia Ciência

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Capa da primeira edição.

A Gaia Ciência é um dos livros de Nietzsche mais lidos. Filósofos, escritores, professores, alunos e leitores comuns, em todos os países e em todas as línguas, magnificam-se com os ensinamentos desta obra.


  • "Por que a natureza foi tão avarenta a ponto de recusar aos humanos o dom de brilhar mais ou menos conforme a intensidade de sua luz interior? Por que os grandes homens não possuem assim como o Sol, tanto na sua alvorada como no seu ocaso, uma tão bela visibilidade? Quantos equívocos desapareceriam assim da vida social!"
  • "Éramos amigos e agora somos estranhos um ao outro. Mas não importa que assim o seja: não procuremos escondê-lo ou calá-lo como se isso nos desse razão para nos envergonhar. Somos dois navios cada um dos quais com o seu objetivo e a sua rota particular."
  • "Temo que os bichos considerem o homem como um semelhante que se privou da razão animal sadia, como um animal no delírio, que ri e que chora, como um animal infeliz."
  • "A vida mais doce é não pensar em nada".
  • "Abandono muitas coisas, / Deixo-as correr ao acaso, / E por isso dizeis que sou desdenhoso. / Quando se bebe em copos muito cheios / Deixa-se cair muita bebida, / Nem por isso continueis a considerar o vinho pior".
  • "Áspero e suave, grosseiro e fino, / Familiar e estranho, impuro e puro, / Lugar de encontro dos loucos e dos sábios. / Tudo isso sou, tudo isso quero ser, / Ao mesmo tempo pomba, serpente e porco".
  • "É necessária a ferrugem: não basta ser afiado! Senão dizem sempre de ti: 'É muito novo!'".
  • "Não suporto almas estreitas: não têm nada de bom, tampouco nada de mau".
  • "Não te enchas de ar: a menor picadela te esvaziaria".
  • "Odeio seguir alguém, como também conduzir. / Obedecer? Não! E governar, nunca! / Quem não se mete medo não consegue metê-lo a ninguém, / Somente aquele que o inspira é capaz de comandar. / Já detesto comandar a mim mesmo! / Gosto, como os animais, das florestas e dos mares, / De me perder durante um tempo, / Permanecer a sonhar num recanto encantador, E forçar-me a regressar de longe ao meu lar, / Atrair-me a mim próprio... de volta para mim".
  • "O homem louco se lançou para o meio deles e trespassou-os com seu olhar: "Para onde foi Deus?", gritou ele, "já lhes direi! Nós matámo-lo — vocês e eu. Somos todos seus assassinos! Mas como fizemos isso? Como conseguimos beber inteiramente o mar? Quem nos deu a esponja para apagar o horizonte? Que fizemos nós, ao desatar a terra do seu sol? Para onde se move ela agora? Para onde nos movemos nós? Para longe de todos os sóis? Não caímos continuamente? Para trás para os lados, para a frente, em todas as direções? Existe ainda 'em cima' e 'embaixo'? Não vagamos como que através de um nada infinito? Não sentimos anoitecer eternamente? Não temos de acender lanternas de manhã? Não ouvimos o barulho dos coveiros a enterrar Deus? Não sentimos o cheiro da putrefação divina? — também os deuses apodrecem! Deus está morto! Deus continua morto! E nós matámo-los! Como nos consolar, nós assassinos entre os assassinos? O mais forte e mais sagrado que o mundo até então possuía sangrou inteiro sob os nossos punhais — quem nos limpará este sangue? Com que água poderíamos nos lavar? A grandeza desse acto não é demasiado grande para nós? Não deveríamos nós mesmos nos tornar deuses, para ao menos parecer dignos dele? Nunca houve um acto maior — e quem vier depois de nós pertencerá, por causa desse acto, a uma história mais elevada que toda a história até então!"
  • "É à glória que aspiras? Nesse caso consideres esta lição: renúncia a tempo e espontaneamente à honra".
  • "Siga as tuas melhores ou piores inclinações e, antes de mais nada, encaminha-te para a tua perdição; em ambos os casos favorecerás, provavelmente, de um maneira ou de outra, o progresso da humanidade".
  • "Deus está morto".
- Gott ist tot
- Friedrich Nietzsche; frase muito citada do filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900). Aparece pela primeira vez em A gaia ciência, na seção 108 (Novas lutas), na seção 125 (O louco) e uma terceira vez na secção 343 (Sentido da nossa alegria).


Wikipedia-logo.png
A Wikipédia possui um artigo de ou sobre: A Gaia Ciência.