Saltar para o conteúdo

Molière

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Molière
Molière
Nascimento Jean-Baptiste Poquelin
15 de janeiro de 1622
Paris
Morte 17 de fevereiro de 1673 (51 anos)
Paris
Batizado 15 de janeiro de 1622
Sepultamento cemitério do Père-Lachaise
Cidadania Reino da França
Progenitores
  • Jean Poquelin
Cônjuge Armande Béjart
Filho(a)(s) Esprit Madeleine Poquelin
Alma mater
  • Lycée Louis-le-Grand
  • antiga universidade de Orléans
Ocupação dramaturgo, ator de teatro, poeta, satirico, encenador, dramaturgo, escritor, gerente de teatro
Obras destacadas Les fourberies de Scapin, Le Bourgeois gentilhomme, Le malade imaginaire, Le misanthrope, Tartufo, Dom Juan ou le Festin de Pierre, L'école des femmes, Esganarelo ou O Cornudo Imaginário, Psyché, Pastorale comique, Mélicerte, Monsieur de Pourceaugnac, The Blunderer, or the Counterplots, The School for Husbands, L'Impromptu de Versailles, L'avare, L'Amour médecin, Les Précieuses ridicules, Les Fâcheux, Les Femmes Savantes, Les amants magnifiques, Le Sicilien ou l'Amour peintre, Le Médecin volant, Le Médecin malgré lui, Marriage by Compulsion, Lovers' quarrels, Princess of Elis, La jalousie du barbouillé
Movimento estético classicismo
Causa da morte tuberculose
Assinatura

Jean-Baptiste Poquelin, o Molière (14 de janeiro de 1622 - 17 de fevereiro de 1673), dramaturgo e ator francês.

Com fontes[editar]

Na obra Escola de Mulheres[editar]

  • "Não encontramos [maridos] de todas as variedades, acomodados cada um de um jeito? Este junta mil bens para que a esposa os divida, adivinha com quem? Com quem o corneia."
Ato I, Cena I.
  • "Quem ri o que quer é rido o que não quer."
Ato I, Cena I.
  • "Pretendo que a minha [futura mulher] seja bastante opaca para não saber nem mesmo o que é uma rima. E, quando estiver jogando o corbillon e alguém perguntar, ao chegar a vez dela: 'Que botamos agora na panela?', ela, ao invés de, como as outras, dar uma resposta brilhante e maliciosa, responda, muito simples: 'Um pouco de batata"' [...]
- Ato I, Cena I: Fala de Arnolfo para o personagem Crisaldo, em que o primeiro dos dois reforça seu desejo de ter uma esposa que lhe sirva e que lhe seja obediente.
  • Quando o personagem Arnolfo retorna de uma viagem, bate à porta e nenhum de seus criados, Alain e Georgette, vão abrir-lhe a porta:
GEORGETTE: Estou soprando o fogo.
ALAIN: Estou tomando conta do pardal, senão o gato o come.
ARNOLFO: Se não abrirem a porta imediatamente ficarão sem comida quatro dias. Ah!
GEORGETTE: (A Alain:) Por que você vem agora, quando eu já estou correndo?
ALAIN: (A Georgette:) E vou deixar você abrir em meu lugar, só porque vem correndo? Bonita estratégia.
  • "[...] [o ciúme] é uma coisa... que deixa a gente inquieto... [...] Vou te dar um exemplo, pra que você entenda com facilidade: você está na mesa, a mesa arrumadinha, vai começar a comer seu mingau, quando passa por lá um esfomeado e começa também a querer comer a comida que é tua.[...]"
-Ato II, Cena III: o personagem Alain explica à Georgette o que é o ciúme.
  • "O mundo [...], que coisa estranha é o mundo! A maledicência geral, por exemplo. Como todo mundo gosta de falar dos outros!"
-Ato II, Cena V: fala de Arnolfo à sua esposa Inês
  • "Em qualquer empreendimento o dinheiro é a chave mestra."
-Ato I, Cena IV
  • "[...] Para quem acha os chifres a suprema vergonha, não casar é a única maneira de estar bem seguro."
-Último Ato, Última Cena, Última Fala, do personagem Crisaldo

Na obra Don Juan[editar]

  • "A virtude é o primeiro título de nobreza; eu não presto tanta atenção ao nome desta ou daquela pessoa, mas antes aos seus atos."
-La vertu est le premier titre de noblesse; que je regarde bien moins au nom qu'on signe, qu'aux actions qu'on fait.
-Don Juan, ou le festin de pierre (1810), Ato IV, Cena VI, Página 82, Fala do personagem Don Luís.

Atribuídas[editar]

  • "Não somos responsáveis apenas pelo que fazemos, mas também pelo que deixamos de fazer."
- Nous ne somme pas seulement responsable de ce que nous faisons, mais aussi de ce que nous ne faisons pas !
- citado em "Faire évoluer les esprits: en politique, dans l'entreprise et dans l'entreprise et dans la vie privée" - Página 300, Howard Gardner - Odile Jacob, 2007, ISBN 2738117899, 9782738117892 - 337 páginas