Martin Heidegger

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Martin Heidegger
Martin Heidegger
Martin Heidegger em outros projetos:

Martin Heidegger (26 de setembro de 188926 de maio de 1976), filósofo alemão.


Obras[editar]

  • "Nunca chegamos aos pensamentos. São eles que vêm".
- Wir kommen nie zu Gedanken. Sie kommen zu uns.
- Aus der Erfahrung des Denkens, 1910-1976 - página 78, Martín Heidegger - V. Klostermann, 1983 - 253 páginas

Ser e Tempo[editar]

Tradução de Marcia Sá Cavalcanti Schuback, Editora Vozes, 2005
  • "A possibilidade de uma petrificação, endurecimento e inapreensão do que se apreendeu originariamente se acha no próprio trabalho concreto da fenomenologia."
  • "A possibilidade de se compreender o ser deste ente vai depender da segurança com que se exerce um modo conveniente de acesso."
  • "(...) as modalidades de acesso e interpretação devem ser escolhidas de modo que esse ente possa mostrar-se em si mesmo e por si mesmo."
  • "(...) a analítica existencial da pre-sença mobiliza igualmente uma tarefa, cuja urgência não é menor que a questão do ser, a saber, a liberação do a priori, que se deve fazer visível, a fim de possibilitar a discussão filosófica da questão 'o que é o homem'."
  • "Não se deve, porém, tomar a cotidianidade mediana da pre-sença, como um simples "aspecto". Pois a estrutura da existencialidade está incluída a priori na cotidianidade e até mesmo em seu modo impróprio. De certa forma, nele está igualmente em jogo o ser da pre-sença, com o qual ela se comporta e relaciona no modo da cotidianidade mediana mesmo que seja apenas fugindo e se esquecendo dele."

Atribuídas[editar]

  • "Por que há simplesmente o ente e não antes o nada?"
- "Heidegger: introdução a uma leitura" - Página 79, CHRISTIAN DUBOIS, Jorge Zahar Editor Ltda, 2000, ISBN 8571108234, 9788571108233 - 248 páginas
  • "A poesia é a fundação do ser pela palavra."
- citado em "Poesia brasileira contemporânea" - página 165, Alceu Amoroso Lima - P. Bluhm, 1941 - 169 páginas
(Martin Heidegger, Hólderlin und das Wesen der Dichtung, in "Mesures" 15|7|37, p. 121).
  • "A grande tragédia do mundo é que não cultiva a memória, e portanto se esquece dos mestres."
- Fonte: Super Interessante – ANO 9 - Nº 5 – Maio de 1995 - Dito & Feito - Pág; 90