Ian McEwan

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ian McEwan
Ian McEwan
Ian McEwan em outros projetos:

Ian McEwan (Aldershot (Inglaterra), 21 de Junho de 1948), é um escritor britânico, chamado por vezes de “Ian Macabro”, devido à natureza das suas primeiras obras, e que novela a novela se tem convertido em um dos mais conhecidos da sua geração.


Obras[editar]

Amsterdam[editar]

  • “Dois ex-amantes de Molly Lane estavam parados do lado de fora da capela do crematório, de costas para o frio de fevereiro.”
  • “Aquela gravidade calma não era nem um pouco o estilo dele, que sempre fora ao mesmo tempo carente e austero; ansioso para ter amigos, mas incapaz de encarar a amizade como natural.”
  • “Ele não tinha nenhuma companheira, nenhuma esposa, nenhum George pra cuidar dele, o que talvez fosse uma bênção. Mas o que tinha em vez disso? Rolou de lado e puxou os cobertores em torno de si. O asilo, a tevê do salão durante o dia, o bingo e os velhos com seus cigarrinhos, seu mijo e sua baba. Isso ele não iria agüentar.”
  • “O índice ABC do último mês fora sete mil pontos mais baixo que o do mês anterior. O tempo estava se esgotando para The Judge. Ele ainda estava pensando se publicava ou não uma matéria sobre os dois irmãos gêmeos siameses unidos pelo quadril – um deles tinha o coração fraco, de modo que não podiam ser separados – que haviam conseguido emprego de funcionários públicos. Se a gente quer salvar esse jornal”, gostava de dizer Vernon na reunião editorial matinal, “todo mundo vai ter de sujar as mãos”. Todos assentiam, mas ninguém concordava.”
  • “Sabemos tão pouco uns dos outros. Jazemos quase que submersos, como blocos de gelo, mostrando apenas a parte branca e fria de nossos eus sociais. Ali estava uma rara visão, por baixo das ondas, do tumulto e da privacidade de um homem, da sua dignidade posta de cabeça pra baixo pela necessidade avassaladora de fantasia pura, de pensamento puro, por aquele elemento humano irredutível – a mente.”