Saltar para o conteúdo

Estatuto do PCC

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.

Estatuto do PCC é uma das regras do Primeiro Comando da Capital (PCC) que deve-se ser seguida pelos integrantes da organização.


  1. Lealdade, respeito, e solidariedade acima de tudo ao "Partido".[1]
  2. "Todos os integrantes devem lealdade e respeito ao PCC."[2]
  3. A luta pela liberdade, justiça e paz.[3]
  4. A união contra as injustiças e a opressão dentro da prisão.[4]
  5. Contribuição daqueles que estão em liberdade, com os irmãos dentro da prisão, através de advogados, dinheiro, ajuda aos familiares e ação de resgate.[5]
  6. O respeito e a solidariedade a todos os membros do “Partido”, para que não haja conflitos internos, porque aquele que causar conflito interno dentro do “Partido”, tentando dividir a irmandade, será excluído e repudiado do “Partido”.[6]
  7. Jamais usar o “Partido” para resolver problemas pessoais contra pessoas de fora porque o ideal do Partido está acima de conflitos pessoais. Mas o “Partido” estará sempre leal e solidário a todos os seus integrantes para que não venham a sofrer nenhuma desigualdade ou injustiça em conflitos externos.[7]
  8. Aquele que estiver em liberdade, "bem estruturado", mas esquecer de contribuir com os irmãos que estão na cadeia, será condenado à morte, sem perdão.[8]
  9. Os integrantes do “Partido” têm que dar bom exemplo a ser seguido e, por isso, o Partido não admite que haja: assalto, estupro e extorsão dentro do sistema.[9]
  10. O “Partido” não admite inveja, calúnia, egoísmo, difamação mas sim, a fidelidade, a hombridade, solidariedade ao interesse comum ao bem de todos, porque somos um por todos e todos por um.[10]
  11. Todo integrante terá que respeitar a ordem e a disciplina do “Partido”. Cada um vai receber de acordo com aquilo que fez por merecer. A opinião de todos será ouvida e respeitada, mas a decisão final será dos fundadores do “Partido”.[11]
  12. O Primeiro Comando da Capital PCC fundado no ano de 1993, numa luta descomunal e incansável contra a opressão e as injustiças do Campo de concentração "anexo" à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, tem como tema absoluto a "Liberdade, a Justiça e Paz".[12]
  13. O partido não admite rivalidades internas, disputa do poder na Liderança do Comando, pois cada integrante do Comando sabe a função que lhe compete de acordo com sua capacidade para exercê-la.[13]
  14. Temos que permanecer unidos e organizados para evitarmos que ocorra novamente um massacre semelhante ou pior ao ocorrido na Casa de Detenção em 2 de outubro de 1992, onde 111 presos foram covardemente assassinados, massacre este que jamais será esquecido na consciência da sociedade brasileira. Porque nós do Comando vamos mudar a prática carcerária, desumana, cheia de injustiças, opressão, torturas, massacres nas prisões.[14]
  15. A prioridade do Comando no montante é pressionar o Governador do Estado à desativar aquele Campo de Concentração "anexo" à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, de onde surgiu a semente e as raízes do comando, no meio de tantas lutas inglórias e a tantos sofrimentos atrozes.[15]
  16. Partindo do Comando Central da Capital do KG do Estado, as diretrizes de ações organizadas simultâneas em todos os estabelecimentos penais do Estado, numa guerra sem trégua, sem fronteira, até a vitória final.[16]
  17. O importante de tudo é que ninguém nos deterá nesta luta porque a semente do Comando se espalhou por todos os Sistemas Penitenciários do estado e conseguimos nos estruturar também do lado de fora, com muitos sacrifícios e muitas perdas irreparáveis, mas nos consolidamos à nível estadual e à médio e longo prazo nos consolidaremos à nível nacional. Em coligação com o Comando Vermelho - CV e PCC iremos revolucionar o país dentro das prisões e nosso braço armado será o Terror "dos Poderosos" opressores e tiranos que usam o Anexo de Taubaté e o Bangu I do Rio de Janeiro como instrumento de vingança da sociedade na fabricação de monstros. Conhecemos nossa força e a força de nossos inimigos Poderosos, mas estamos preparados, unidos e um povo unido jamais será vencido ("Paz, Justiça e Liberdade").[17]
- O Quartel General do PCC, Primeiro Comando da Capital, em coligação com Comando Vermelho (CV), Unidos venceremos.

Citações dos membros[editar]

  • "Não somos sócios de um clube e sim integrantes de uma organização criminosa".[18]
  • "A facção em comento é altamente estruturada, sendo que seus integrantes frequentemente mencionam um código de "conduta" e "ética" do crime, que deveriam seguir, tanto que o descumprimento das normas do "estatuto" é punido até mesmo com a pena de morte, denominada por eles de "xeque-mate".[19]
- Uma carta do Primeiro Comando da Capital foi encontrada pela polícia dentro da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), onde a carta provou ser o estatuto da organização.

Ver também[editar]

Referências

  1. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  2. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  3. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  4. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  5. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  6. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  7. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  8. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  9. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  10. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  11. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  12. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  13. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  14. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  15. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  16. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  17. Gabriel Mascarenhas (14 de março de 2017). «QG da facção: presídio de Roraima tinha estatuto do PCC». VEJA 
  18. «Estatuto do PCC tem 18 artigos e código de ética». UOL. 14 de março de 2017 
  19. «Estatuto do PCC tem 18 artigos e código de ética». UOL. 14 de março de 2017 

Ligações externas[editar]

O Wikisource tem texto original relacionado a: