Cláudia Wonder

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Claudia Wonder em outros projetos:

Claudia Wonder, nascida Marco Antonio Abrão, é uma artista, escritora, colunista e militante brasileira pelos Direitos Humanos GLBTT.


  • "O glamur que estão buscando é falso e devem procurar outro meio de vida. Ninguém merece ser puta, isso não dignifica ninguém (...) os tempos são outros e devemos lutar pelos nossos direitos e não fazer exatamente o que a sociedade homofóbica quer de nós: ficar nas esquinas na mais completa miséria moral e sujeita a todo tipo de escárnio."
- Resposta ao site EspaçoGLS, quando perguntada sobre os travestis que vão ganhar a vida nas ruas da Europa.
  • "Não é a maioria dos travestis que se prostitui. Essa é a parte mais visível porque está nas ruas. Digo isso porque conheço uma infinidade de trans que trabalham em várias outras atividades, mas infelizmente, como as pessoas não conhecem, acreditam que todas as travestis se prostituem. Os motivos que levam uma travesti a se prostituir são muitos e bem complexos. Muitas não são aceitas pela família e, como não têm referência, acabam nas ruas, outras é por preguiça ou por falta da tal da consciência política. O brasileiro é muito acomodado quanto aos seus direitos. Por isso muitas trans ainda buscam a prostituição como forma de vida. Na Europa a realidade dos travestis europeus é completamente diferente, só se prostitui quem quer mesmo. Conheci trans que trabalhavam como garçonete, outra como trans engenheira nuclear. É uma questão de referência e da realidade do país onde se vive. Lá eles respeitam a cidadã transexual, aqui a realidade é bem outra. Mas as trans brasileiras devem tomar consciência e começar a lutar pelos seus direitos, tanto no estudo quanto no trabalho, e não mais acreditar que a prostituição é o único caminho que tem para viver."
- Entrevista ao site EspaçoGLS.
  • "Para uns eu sou um show; para outros, uma ameaça."
- Entrevista ao site MixBrasil
  • “Sim, o caminho para a plena cidadania não tem volta. A menos que caiamos de novo em algum tipo de regime totalitário, mas nisso eu não quero acreditar.”
- Respondendo indignada sobre se crê que o Projeto de Parceria Civil será implantado algum dia no Brasil.

Sobre[editar]

  • “Cláudia Wonder finalizou sua trajetória ainda fazendo história: foi a primeira trans a ter um velório na Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo.”
- Fonte: coluna Lifestyle do site Mixbrasil, de 23 de dezembro de 2010.