Pero Vaz de Caminha

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pero Vaz de Caminha em outros projetos:

Pero Vaz de Caminha, (Porto, 1450 - Calicute, 15 de dezembro de 1500), foi um escrivão português, responsável pelo primeiro registro escrito da w:Descoberta do Brasil. Dada a política de sigilo da Corte portuguesa, a carta só seria publicada na "Corografia Brasílicam ou relação histórico-geográfica do reino do Brasil" do Padre Manuel Aires de Casal (Imprensa Régia, Rio de Janeiro, 1817).


  • "Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. Nas mãos traziam arcos com suas setas. Vinham todos rijamente sobre o batel; e Nicolau Coelho lhes fez sinal que pousassem os arcos. E eles pousaram."
- Carta sobre a Descoberta do Brasil
  • "A feição deles é serem pardos, maneira de avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem feitos. Andam nus, sem coberta alguma Não fazem o menor caso de encobrir ou de mostrar suas vergonhas; e nisso têm tanta inocência como em mostrar o rosto. Ambos traziam os beiços de baixo furados e metidos neles uns ossos brancos (...) ali encaixados de tal sorte que não os molesta nem os estorva no falar, no comer ou no beber".
- Carta sobre a Descoberta do Brasil
  • "Por ali andavam entre eles três ou quatro moças, bem moças e bem gentis, com cabelos muito pretos e compridos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas, tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tinham nenhuma vergonha".
- Carta sobre a Descoberta do Brasil
  • "(...) E uma daquelas moças era toda tingida, de baixo a cima daquela tintura; e certo era tão bem feita e tão redonda, e sua vergonha tão graciosa, que a muitas, que a muitas mulheres da nossa terra, vendo-lhe tais feições, fizera vergonha, por não terem a sua como ela.
- Carta sobre a Descoberta do Brasil
  • "(...) Enquanto aí estávamos, foram alguns buscar mariscos e apenas acharam alguns camarões grossos e curtos, entre os quais vinha um tão grande e tão grosso, como em nenhum tempo vi tamanho".
- Carta sobre a Descoberta Brasil