Sábado: diferenças entre revisões

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
135 bytes adicionados ,  11 de julho de 2009
sem resumo de edição
mSem resumo de edição
Sem resumo de edição
[[Imagem:Yonge Street saturday night.jpg|right|250px]]
''O [[w:sábado|'''Sábado''']], por fundamentação bíblica e etimológica, é considerado o último dia da semana, seguindo a sexta-feira e precedendo o domingo, é um dia de oração e de descanso para judeus e cristãos sabatistas.''
----
 
* "Devemos unir-nos a eles [observadores do sábado], associando-nos com eles em tudo, como parentes e [[w:irmão|irmãos]]." <ref>Dialogue With Trypho, em The Ante-Nicene Fathers, vol. I, pág. 218.</ref>
:-''Século II Justino Mártir (100-165).''
 
* "Na questão de ajoelhar-se, também a [[w:oração|oração]] pode ser feita de várias maneiras, embora haja alguns que se abstenham de se ajoelharem no sábado. Uma vez que esta divergência está sendo considerada pelas igrejas, o Senhor dará Sua graça para que os que não concordam com isto cedam ou sigam o exemplo dos outros, sem haver ofensa contra ninguém." <ref>On Prayer, cap. 23. Em The Ante-Nicene Fathers, vol. III, pág. 689.</ref>
:-''Século III Tertuliano (155-222).''
 
* "Depois da celebração do sacrifício contínuo (a [[crucifixãow:Crucificaxão|crucificaxão]]), vem a segunda festividade, do sábado, e é apropriado para quem for direito entre os santos, celebrar também a festa do sábado. E qual é, de fato, a festa do sábado, senão a de que o apóstolo disse: 'Portanto resta ainda um sabatismo para o povo de Deus?' Hebreus 4:9. Deixando, pois, de lado a observância judaica do sábado, que espécie de observância se espera do cristão? No sábado nenhum ato mundano deve ser realizado. Se, portanto, repousardes de todas as obras seculares, não deveis fazer coisa alguma mundana, mas estareis livres para as obras espirituais, indo à igreja, dedicando atenção à leitura sagrada e aos estudos de assuntos divinos, pensando nas coisas celestiais e na vida futura, bem como no julgamento vindouro, sem atentar para as coisas atuais e visíveis, mas para as invisíveis e futuras." <ref>Homily on Numbers 23, par. 4, em Migne, Patrologia Graeca, vol. XII. cols. 749 e 750.</ref>
:-''Orígenes (185-254).''
 
:-''Joseph Bingham (pesquisador de história da igreja cristã, que viveu na Inglaterra no século XVIII).''
 
* "Conquanto quase todas as igrejas do mundo celebrassem os sacramentos aos sábados, cada [[w:Semana|semana]], os cristãos de Alexandria e de Roma, por causa de alguma tradição, deixaram de fazer isto." <ref>Ecclesiastical History, livro V, cap. 22 (escrito em 439 d.C.), em Nicene and Post-Nicene Fathers, 2.ª série, vol. II, pág. 132.</ref>
:-''Século V Sócrates, o Eclesiástico (historiador - 379-440).''
 
:-''Século XI Andrew Lang (1844-1912), erudito grego-escocês, historiador, referindo-se à igreja do norte da Escócia no décimo primeiro século, igreja fundada por Columba.''
 
* "Parecia seguirem um costume, conforme, vestígios na primeira igreja monástica da [[w:Irlanda|Irlanda]], segundo o qual consideravam o sábado como dia de repouso, no qual descansavam de seu trabalho... Não deixavam de venerar o domingo, embora sustentassem que o sábado do sétimo dia era o legítimo sábado, no qual se abstinham do trabalho."<ref>Celtic Scotland (Edinburgo, 1877), livro II, cap. 8, págs. 349 e 350.</ref>
:-''William Forbes Skene (1809-1892), historiógrafo real da Escócia em 1881. Referindo-se à Igreja Celta do século XI.''
 
* "Neste assunto, os [[w:Escócia|escoceses]] talvez mantivessem o costume tradicional da antiga Igreja da Irlanda que observava o sábado, em vez do domingo, como dia de repouso."<ref>Margaret of Scotland, Queen and Saint (Londres, 1926), pág. 97.</ref>
:-''Thomas Ratcliffe Barnett (1868-1941) erudito anglicano.''
 
* "Os Picardos, ou Irmãos Valdenses, não celebravam festividades à Virgem e aos [[w:Apóstolo|Apóstolo]]s. Alguns guardavam o domingo. Outros, entretanto, só observavam o sábado, como os judeus." <ref>Beiträge zur Sektengeschichte des Mittelalters (Munich, Beck 1890), vol. II, pág. 662.</ref>
:-''Um Ramo dos Valdenses J. J. Ign. Dollinger (1799-1890), professor de História Eclesiástica e Direito Canônico na Universidade de Munich.''
 
2 910

edições

Menu de navegação