Konrad Lorenz

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
(Redirecionado de Konrad Zacharias Lorenz)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Konrad Lorenz
Konrad Lorenz
Konrad Lorenz em outros projetos:
Prêmio Nobel de Medicina (1973)

Konrad Zacharias Lorenz (n. 7 de Novembro de 1903 - f. 27 de Fevereiro de 1989) é um ornitologista da Áustria. Foi premiado com o nobel de Medicina em 1973.


- Die Moral eines Menschen ist zu beurteilen nach der Fähigkeit, welch großes Opfer er zu bringen bereit ist, ohne dabei an eine Gegenleistung zu denken.
- So kam der Mensch auf den Hund


A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso (1986)[editar]

  • "[...]De toda forma, as modificações efetuadas em todo o planeta pelo desenvolvimento cultural humano são tão rápidas que excluem um acompanhamento, mesmo "a reboque", do desenvolvimento filogenético. O homem se acha extremamente ameaçado."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.17
  • "Sem dúvida que exagero um pouco. Não obstante, ainda hoje a grande maioria das pessoas é seguidora fiel e irrestrita da crendice de que o progresso da nossa civilização terá que levar, necessariamente e por trilhas predestinadas, ao crescimento de novos valores."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.19
  • "A muitas pessoas parece inacreditável existirem no Universo processos cuja evolução não seja orientada por objetivos predeterminados. Pelo fato de atribuirmos um valor negativo a atitudes nossas que não tenham sentido, incomoda-nos a ocorrência de fenômenos que prescindem de qualquer sentido."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.19
  • "O que mais magoa o homem, porém, o que mais lhe fere o amor-próprio, é que todas as suas nobres qualidades sejam absolutamente indiferentes à ocorrência dos fenômenos cósmicos."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.20
  • "O homem autônomo, que insiste em manter sua individualidade e os seus direitos humanos, não é benquisto nos grandes Estados; mais ainda, não é desejável nem para as autoridades nem para a opinião pública."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.152
  • "As desvalorizações da individualidade que são efetivadas nas grandes conformações estatais, por mais que estas tenham credos políticos opostos entre si e por mais 'que, conseqüentemente, os meios adotados para a desvalorização da individualidade divirjam entre si, são todas elas espantosamente semelhantes quanto à sua essência."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.152
  • "Um dos mais perigosos círculos viciosos, que atualmente ameaçam a sobrevivência da totalidade da humanidade, é resultante do fato de que a ambição pela posição mais alta possível numa escala hierárquica social, ou, em outras palavras, a ambição pelo poder, se combina a uma cobiça tão fora de qualquer medida que já se tornou neurose, cobiça essa que por sua vez tem resultados que conferem maior poder."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.89
  • "A suposição de que apenas paisagens ainda intocadas pelo homem possam ser belas é um engano de alguns românticos defensores da natureza. O que é correto dizer-se é que na maioria das vezes em que ocorrem distúrbios na harmonia ecológica a culpa disso cabe ao homem. Também podem ser belas paisagens em que vive o homem, desde que nelas se mantenha uma comunidade de formas de vida razoavelmente equilibrada do ponto de vista ecológico."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.96
  • "Linguagens verbais naturalmente trazem consigo possibilidades novas e dificilmente imagináveis para a transmissão de falsas informações."
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.182
  • "[...]Muito provavelmente eu me tornaria vegetariano se fosse obrigado a abater todos os seres vivos que me servem de alimento. Neste caso o homem pode "alijar seu pensamento" ou reprimi-lo, e até mesmo precisa fazê-lo. Quando se trata de sofrimentos evitáveis, porém, sobretudo quando se trata de sofrimentos de outros seres humanos, tal atitude lhe é proibida. Desviar o olhar do sofrimento de um animal e reprimir o pensamento e o sentimento correspondentes pode tornar-se uma atitude perigosa na medida em que se torna habitual.[...]"
-LORENZ, Konrad. A Demolição do Homem: Crítica à Falsa Religião do Progresso. Editora brasiliense,2ª Edição,1986,p.178

Atribuidas[editar]

  • "A necessidade cada vez mais aguda de ruído só se explica pela necessidade de sufocar alguma coisa".
- Konrad Lorenz, citado em 3001 pensamentos - Página 213, Gerardo Cabada, Edicoes Loyola, 2001, ISBN 8515023075, 9788515023073 - 288 páginas
  • "A verdade na ciência pode ser mais bem definida como a hipótese de trabalho mais adequada para abrir o caminho até a próxima hipótese."
- Konrad Lorenz, biólogo austríaco, conforme encontrado em Singh, Simon - Big Bang - Capítulo: "O que é ciência?" - Editora Record - 2006 - pág.: 459
  • "É um bom exercício para um pesquisador livrar-se de uma hipótese favorita todo dia, antes do café da manhã. Isso o manterá jovem."
- Konrad Lorenz, conforme encontrado em Singh, Simon - Big Bang - Capítulo: "O que é ciência?" - Editora Record - 2006 - pág.: 459