Diferenças entre edições de "Clarice Lispector"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
5 944 bytes removidos ,  15h52min de 2 de novembro de 2012
m
- sem fontes
m (- sem fontes)
__TOC__
 
* "(...) Me lembro bem da carta que eu lhe escrevi, sobre deixar os outros em paz. Realmente o tom geral devia estar pessimista. O pessimismo passou, mas o bom propósito não: '''farei o possível para não amar demais as pessoas, sobretudo por causa das pessoas. Às vezes o amor que se dá pesa, quase como responsabilidade na pessoa que o recebe.''' Eu tenho essa tendência geral para exagerar, e resolvi tentar não exigir dos outros senão o mínimo. É uma forma de paz... Também é bom porque em geral se pode ajudar muito mais as pessoas quando não se está cega pelo amor. (...)" in: No livro 'Minhas Queridas'. (um livro que reúne cartas escritas entre 1940 e 1957 para suas irmãs)
::- ''in: No livro 'Minhas Queridas'. (um livro que reúne cartas escritas entre 1940 e 1957 para suas irmãs)
 
* Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato. Ou toca, ou não toca!
::- ''entrevista concedida em 1977 a Júlio Lerner
 
*"Acho que sábado é a rosa da semana."
:- ''[[Clarice Lispector]], "A imitação da rosa‎" - Página 12, Clarice Lispector - Editora Artenova, 1973 - 183 páginas''
 
* "Amor é quando é concedido participar um pouco mais. Poucos querem o amor, porque amor é a grande desilusão de tudo o mais. E poucos suportam perder todas as outras ilusões".
amor é a grande desilusão de tudo o mais. E poucos suportam perder todas as outras ilusões".
:- ''[[Clarice Lispector]], "A imitação da rosa‎" - Página 12, Clarice Lispector - Editora Artenova, 1973 - 183 páginas''
 
::- ''"Mas há vida" in: "A descoberta do mundo: crónicas" - página 373, Clarice Lispector - Francisco Alves, 1994, ISBN 8526502654, 9788526502659 - 533 páginas
 
* (...) nem entendo aquilo que entendo: pois estou infinitamente maior do que eu mesma, e não me alcanço.
::- ''CL , In: Aprendendo a viver, RJ: Editora Rocco, 2004.
::- ''Visão do esplendor: impressões leves - página 135, Clarice Lispector - Francisco Alves, 1975 - 156 páginas
==A Descoberta do Mundo==
 
* Lutei toda a minha vida contra a tendência ao devaneio, sempre sem jamais deixar que ele me levasse até as últimas águas. Mas o esforço de nadar contra a doce corrente tira parte de minha força vital. E, se lutando contra o devaneio, ganho no domínio da ação, perco interiormente uma coisa muito suave de se ser e que nada substitui. Mas um dia ainda hei de ir, sem me importar para onde o ir me levará.
 
==A hora da estrela==
*"Com Deus a gente também pode abrir caminho pela violência. Ele mesmo quando precisa mais especialmente de um de nós, Ele nos escolhe e nos violenta."
 
*"Dá-me a tua mão desconhecida que a vida está me doendo e eu não sei como falar- a realidade é delicada demais, só a realidade é delicada, minha irrealidade e minha imaginação são mais pesadas." :- ''"A paixão segundo G.H.: romance" - Página 34; de Clarice Lispector - Publicado por Editôra Sabiá, 1964 - 182 páginas''
::- ''"A paixão segundo G.H.: romance" - Página 34; de Clarice Lispector - Publicado por Editôra Sabiá, 1964 - 182 páginas''
 
*"Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro...
 
* "...há impossibilidade de ser além do que se é -
:no entanto eu me ultrapasso mesmo sem o delírio,
:sou mais do que eu, quase normalmente -
:tenho um corpo e tudo que eu fizer é continuação
:de meu começo......
:a única verdade é que vivo.
:Sinceramente, eu vivo.
:Quem sou?
:Bem, isso já é demais...."
 
*"Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor.Que tem que ser vivido até a última gota.Sem nenhum medo. Não mata."
 
*"...Não entendo.
:Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender.
:Entender é sempre limitado.
:Mas não entender pode não ter fronteiras.
:Sinto que sou muito mais completa quando não entendo.
:Não entender, do modo como falo, é um dom.
:Não entender, mas não como um simples de espírito.
:O bom é ser inteligente e não entender.
:É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida.
:É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice.
:Só que de vez em quando vem a inquietação:
:-quero entender um pouco.
:Não demais: mas pelo menos entender que não entendo."
 
*"Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo."
 
*"(...) Atravessei a rua e tomei um táxi. A '''brisa''' arrepiava-me os cabelos da nuca. E eu estava tão feliz que me encolho no canto do táxi de medo porque a felicidade dói. E isto tudo causado pela visão do homem bonito. Eu continuava a não querê-lo para mim – gosto é de pessoas um pouco feias e ao mesmo tempo harmoniosas, mas ele de certo modo dera-me muito com o sorriso de camaradagem entre pessoas que se entendem. Tudo isso eu não entendia.
:A coragem de viver: deixo oculto o que preciso ser oculto e precisa irradiar-se em segredo. Calo-me. (...) Clarice Lispector, ''in: Água Viva, Círculo do Livro, 1973 p. 76-7''
 
* "E ninguém é eu. E ninguém é você. Esta é a [[solidão]]."
 
*"(...) E era bom. "Não entender" era tão vasto que ultrapassava qualquer entender - entender era sempre limitado. Mas não entender não tinha fronteiras e levava ao infinito, ao Deus. Não era um não entender como um espírito. O bom era ter inteligência e não entender. Era uma benção como a de ter loucura sem ser doida. Era um desinteresse manso em relação às coisas ditas do intelecto, uma doçura de estupidez. (...) ''Clarice Lispector, in: Uma aprendizagem ou O Livro dos Prazeres, 8a. ed, RJ: Editora Nova Fronteira, 1980, p. 44''
 
* "Há Momentos/"Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-la. Sonhe com aquilo que você quiser. (...)" Autor Desconhecido. '''NOTA:''' ''O texto inteiro não é da Clarice Lispector: inseriram uma frase dela sem estar entre aspas e vem sendo repassado como se fosse tudo de Lispector; apenas o final foi retirado do livro "Uma aprendizagem: ou o Livro dos Prazeres": "De Ulisses ela aprendera a ter coragem de ter coragem de ter fé - muita coragem, fé em quê ? Na própria fé, que a fé pode ser um grande susto, pode significar cair no abismo, Lóri tinha medo de cair no abismo e segurava-se numa das mãos de Ulisses enquanto a outra mão de Ulisses empurrava-a para o abismo - em breve ela teria que soltar a mão menos forte do que a que a empurrava, e cair, '''a vida não é de se brincar porque em pleno dia se morre.''' A mais premente necessidade de um ser humano era tornar-se um humano."''
 
 
{{artigo principal|[[Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres]]}}
* "Amar não acaba. É como se o mundo estivesse à minha espera. E eu vou ao encontro do que me espera."
:- ''Fonte: [http://caras.uol.com.br/noticia/citacoes-novembro http://www.caras.uol.com.br - 5 de novembro de 2009 - EDIÇÃO 835 - Citações]''
 
== Sem fontes ==
{{Sem fontes}}
 
* "As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos." [carece de fontes]
 
* "Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter… Calce os meus sapatos e percorra o caminho que eu percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e minhas alegrias. Percorra os anos que eu percorri, tropece onde eu tropecei e levante-se assim como eu fiz. E então, só aí poderás julgar. Cada um tem a sua própria história. Não compare a sua vida com a dos outros. Você não sabe como foi o caminho que eles tiveram que trilhar na vida." [em busca de fontes]
 
* "Até onde posso, vou deixando o melhor de mim... se alguém não viu, foi porque não me sentiu com o coração. (Autor Desconhecido)
 
* Gosto das cores, das flores, das estrelas, do verde das árvores, gosto de observar. A beleza da vida se esconde por ali, e por mais uma infinidade de lugares, basta saber, e principalmente, basta querer enxergar. {{carece de fontes}}
 
* "Gosto daquilo que me desafia. O fácil nunca me interessou. Já o obviamente impossível sempre me atraiu, e muito." {{carece de fontes}}
 
* "Eu gosto do impossível, tenho medo do provável, dou risada do ridículo e choro porque tenho vontade, mas nem sempre tenho motivos!" {{carece de fontes}}
 
* "Eu sou um ser totalmente passional. Sou movida pela emoção, pela paixão. Tenho meus desatinos. Detesto coisas mais ou menos, não sei amar mais ou menos, não me entrego de forma mais ou menos. Se você procura alguém coerente, sensata, politicamente correta, racional, cheia de moralismo… Esqueça-me! Se você sabe conviver com pessoas intempestivas, emotivas, vulneráveis, amáveis, que explodem na emoção: acolha-me." {{carece de fontes}}
 
* "Há Momentos/"Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-la. Sonhe com aquilo que você quiser. (...)" Autor Desconhecido. '''NOTA:''' ''O texto inteiro não é da Clarice Lispector: inseriram uma frase dela sem estar entre aspas e vem sendo repassado como se fosse tudo de Lispector; apenas o final foi retirado do livro "Uma aprendizagem: ou o Livro dos Prazeres": "De Ulisses ela aprendera a ter coragem de ter coragem de ter fé - muita coragem, fé em quê ? Na própria fé, que a fé pode ser um grande susto, pode significar cair no abismo, Lóri tinha medo de cair no abismo e segurava-se numa das mãos de Ulisses enquanto a outra mão de Ulisses empurrava-a para o abismo - em breve ela teria que soltar a mão menos forte do que a que a empurrava, e cair, '''a vida não é de se brincar porque em pleno dia se morre.''' A mais premente necessidade de um ser humano era tornar-se um humano."''
 
* "(...) Me lembro bem da carta que eu lhe escrevi, sobre deixar os outros em paz. Realmente o tom geral devia estar pessimista. O pessimismo passou, mas o bom propósito não: '''farei o possível para não amar demais as pessoas, sobretudo por causa das pessoas. Às vezes o amor que se dá pesa, quase como responsabilidade na pessoa que o recebe.''' Eu tenho essa tendência geral para exagerar, e resolvi tentar não exigir dos outros senão o mínimo. É uma forma de paz... Também é bom porque em geral se pode ajudar muito mais as pessoas quando não se está cega pelo amor. (...)" in: No livro 'Minhas Queridas'. (um livro que reúne cartas escritas entre 1940 e 1957 para suas irmãs)
 
" *Mas não sou completa, não. Completa lembra realizada. Realizada é acabada. Acabada é o que não se renova a cada instante
da vida e do mundo. Eu vivo me completando, mas falta um bocado." ''[carece de fontes]''
 
* "Não desejo encontrar alguém que me complete, é pouco, mas que me transborde, até o final cansar e ser só início." (Fabricio Carpinejar)
 
* "Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre" ''[carece de fontes]''
 
* Não me prendo a nada que me defina, Sou companhia, mas posso ser solidão, tranquilidade e inconstância, pedra e coração. Sou abraços, sorrisos, ânimo, bom humor, sarcasmo, preguiça e sono. Música alta e silêncio. Serei o que você quiser, mas só quando eu quiser. Não me limito, não sou cruel comigo! Serei sempre apego pelo que vale a... pena e desapego pelo que não quer valer... ''[autoria desconhecida]'' '''Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato. Ou toca, ou não toca!'''
 
'''Nota''': ''Do que vem sendo divulgado por aí: apenas o que será destacado é de Clarice.
Na histórica ENTREVISTA concedida em 1977 a Júlio Lerner, VIDE O TRECHO: Julio Verner: E isso aconteceu em relação a outros de seus trabalhos?
Clarice: Também em relação a outros trabalhos. '''Ou toca, ou não toca.''' Ou quer dizer que… '''Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato.''' Tanto que o professor de português e literatura que devia ser o mais apto a me entender não me entendia e a moça de 17 anos lia e relia o livro. Parece que eu ganho na releitura, né? O que é um alívio.''
 
* Não me provoque, tenho armas escondidas/não me manipule, nasci para se livre/não me engane, posso resistir/ não grite, tenho o péssimo hábito de revidar/não me magoe, meu coração já tem muitas mágoas/não me deixe ir, posso nunca mais voltar/não me deixe só, tenho medo da escuridão/não tente me contrariar, tenho palavras que machucam/não me decepcione, nem sempre consigo perdoar/não espere me perder para sentir minha falta!" (Autor Desconhecido)
 
* "Não me deixe ir, posso nunca mais voltar..."
 
*"Não me lembro mais qual foi nosso começo. Sei que não começamos pelo começo. Já era amor antes de ser" [Edgar Cézar Nolasco, in: CLARICIANAS]
 
* "Não tenho mais tempo algum,ser feliz me consome" Adélia Prado, O Pelicano, pg 77
 
* "Quando me entrego, me atiro. Mas quando recuo, não volto mais."
 
* "Quando se ama, não é preciso entender o que acontece lá fora, porque tudo passa a acontecer dentro de nós." Paulo Coelho, in: O Alquimista
 
* "Seguir em frente é essencial. Olhar pra trás é perda de tempo. Passado se fosse bom era presente." ''[carece de fontes]''
 
*"Sou composta por urgências: minhas alegrias são intensas, minhas tristezas, absolutas. Me entupo de ausências, me esvazio de excessos. Eu não caibo no estreito... Eu só vivo nos extremos... {{carece de fontes}}
 
* "Tente o novo todo dia. O novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor." {{carece de fontes}}
 
*" Todos os dias, quando acordo, vou correndo tirar a poeira da palavra “amor”. {{carece de fontes}}
 
*"(...) você pode me empurrar pro precipício/não me importo com isso/ eu adoro voar. [Bruna Lombardi, in: O perigo do dragão (Alta Tensão)]
 
* Você só terá sucesso na vida quando perdoar os erros e as decepções do passado. A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar duram uma eternidade (autor desconhecido)
 
==Veja também==

Menu de navegação