Alcione Sortica

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alcione Sortica
Alcione Sortica
Alcione Sortica em outros projetos:

Alcione Sortica (17 de dezembro de 1935), escritor, contista e poeta brasileiro.


Trechos de Poemas Notáveis[editar]

Saudades[editar]

"Saudades da minha esposa,
    da primeira vez em que eu a vi,
 e saudades de mim mesmo,
    dos meus tempos de guri."

[1] e [2]


Fragmentos[editar]

  "No ar
   Uma aura de esperança
   Na rua
   Um traço de cidade
         Na terra
         Uma partícula de universo
         Na vida
         Um segundo de eternidade
   No velho
   Um naco de existência
   No carente
   Um vintém de piedade
          No céu
          Uma fatia de lua
          Na alma
          Um caco de saudade."

[3]


Peneirando Estrelas[editar]

"O açude é um enorme espelho,
   prata pura,
   emoldurado pelo pampa."

[4]


Nada Além[editar]

"Sinto nas narinas a aridez do campo
   e na alma a solidão
   das almas inda puras."

[5]


Mar Bobo[editar]

"Quando passeias na praia
  Com teu corpo de sereia
  O mar fica todo bobo
  E se esparrama na areia."

[6]


Areia[editar]

"Logo que deitas na areia
  O mar se espreguiça e vem
  Qual amante ciumento
  Matar saudades de alguém."

[7]


Prece[editar]

"Num mundo de ódios raciais, de lutas religiosas,
   de inconcebíveis preconceitos e constantes desavenças,
   graças Te damos, Senhor,
   pelos amigos de todas as idades, de todas as raças,
   de todas cores e de todas as crenças."

[8]


Universo[editar]

"Dizem infinito...
   Mas,
   quando uma criança nasce,
   um desvalido sorri,
   uma flor se abre,
   um pássaro canta
   ou alguém abre o coração,
   perdoando uma injúria,
   ele se ajeita,
   procura espaço,
   e cresce um pouquinho mais."

[9]

Idade[editar]

"Para saber a idade um homem nem é preciso conhecê-lo.
   Basta saber as características físicas da gatinha do vivente.
   Se tem duas perninhas ele é jovem.
   Sem tem quatro patinhas...

[10]


Pensamentos - Jornal RS Letras[editar]

  • A vida é, apenas, um fio sutil entre o mingau infantil e o mingau senil. E tem gente que complica! [11]


  • A terra nada mais é que um grão de sagu no universo. Ainda bem que é sagu com vinho. [12]


  • Se me entendo na minha anarquia, não tentes organizá-la. Respeite a bagunça alheia. [13]


  • O pior momento do ser humano é quando o coração mumifica e a alma seca. [14]


  • Adoro o inverno. Aquelas frases, altamente eruditas, pronunciadas no verão, mudam de tema. Ao invés das pessoas falarem “Que calor, hein?” elas falam “Que frio, hein? “ [15]


  • O vendedor de mapas vende lugares os quais nunca visitou. O mar Mediterrâneo, para ele, é apenas uma mancha azul num dos cantos do papel. [16]


  • Adoro regatos, correndo pelos campos, cabriolando entre as rochas e escondendo-se na mata. São rios puros, ainda crianças. [17]


  • Se já, pela manhã, colocares creme de barba na escova de dentes... Pára! Respira fundo! Relaxa! Vai com calma! Tens todo o dia para um estresse legal. [18]


  • A velhice desloca-se no tempo, na razão direta das farmácias e na razão inversa dos ranchos dos supermercados. [19]


  • Saudade, quando gruda no vivente, queima mais que goiabada quente. [20]


  • Briga de marido e mulher e briga de facão. Se precisares entrar numa, entra na de facão. [21]

 

  • Se queres subir na vida, não precisas pisotear ninguém. Podes utilizar uma escada. [22]

 

  • Poesia - grito de esperança por um mundo melhor.[23]

 

  • Já pensaste em lutar, ao invés de ficar aí te queixando?[24]

 

  • Criar novos idiomas. Pelo menos para isso os ignorantes são úteis.[25]

 

  • O homem sonha e esquece. O poeta sonha e escreve.[26]

 

  • Anos atrás, quando o vivente estava numa pior, falava-se: “Está no mato, sem cachorro”. Hoje, na vida moderna, em que os cães vivem em apartamentos e as florestas escasseiam, o ditado correto seria: “ Está sem mato, com cachorro.”

 

  • Não fica aí, te queixando do teu cônjuge pra mim. Acaso pediste minha opinião no ato da escolha? [27]

 

  • A velhice desloca-se no tempo, na razão direta das farmácias e na razão inversa dos supermercados. [28]

 

  • O homem é como o cachorro. Os quietos e os pequenos são os perigosos. [29]

 

  • Pior que a falta de consideração são as desculpas esfarrapadas. [30]

 

  • Já fizeste alguém sorrir hoje? Estás esperando o quê? [31]

 

  • Se eu fosse exatamente igual àquele que fui há um segundo, nunca ficaria velho. [32]

 

  • Se quiseres que todos sejam gênios, iguais a ti, estás comprovando que não és gênio. [33]

 

  • Ler é descobrir universos. [34]

 

  • Aquele que acha que sabe tudo, dificilmente aprenderá algo novo. Se nascesse na idade da pedra lascada, continuaria com a mesma mentalidade de um troglodita. [35]

 

  • Artigo de moda - Algo que alguém inventou que está na moda e você adquire, mesmo sem precisar, só porque todo o mundo tem. E, quando deseja vender, ninguém compra porque já possui, não tem utilidade ou saiu da moda. [36]

 

  • E essa, então: O amigo: - “Rádio novo, hein?”
  • O dono do rádio: - “Funciona com pia e na corrente. É mônaco e apertando este botãozinho vermelho fica histérico.”

 [37]
 

  • No velório do egoísta o melhor amigo dele está sempre presente. Dentro do caixão. [38]

 

  • Pampa gaúcho, meu belo rincão, terra de trova e de trovão. [39]

  

  • Infeliz, aquela pobre princesa! Não conhecia o passado do príncipe pelo qual se apaixonara. Beijou-o e ele virou sapo. [40]

 

  • No princípio era o caos, conforme as primeiras citações bíblicas. (Gênesis 1.2). E continua até hoje (Alcione 11.14). [41]

 

  • Se não fazes nada, esperando que as coisas caiam do céu, de repente o teu desejo pode ser realizado. Cai um meteorito na tua cabeça. [42]

 

  • O vendedor de mapas vende lugares os quais nunca visitou. O mar Mediterrâneo, para ele, é apenas uma mancha azul num dos cantos do papel. [43]

 

  • A vida é, nada mais nada menos, que a substituição contínua de um ser por outro, a cada minúscula fração de tempo. [44]

 

  • A melhor propaganda e, igualmente a pior, quem faz é o cliente. Fora isso, qualquer outro meio torna-se inócuo. [45]

 

  • Na vida nada é criado. Tudo é enjambrado. [46]

 

  • Não existem dias úteis nem inúteis. A escolha cabe a cada um de nós. [47]

Referências

  1. Fonte: Nono e os micro-organismos. SORTICA, Alcione. Plenilúnio. I Edição. Editora Alternativa. Porto Alegre (RS), 2016.
  2. Fonte: Saudades, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS).
  3. Fonte: Fragmentos - Antologia Criação, Alcione Sortica, livro Cacos do Tempo, 2005 - original http://www.alcionesortica.com/news/fragmentos/
  4. Fonte: Peneirando Estrelas, Alcione Sortica, livro Cacos do Tempo, 2005 - classificada em 2º lugar Estadual no 10º Concurso Literário Pérola da Lagoa, São Lourenço do Sul (RS) 2007, original http://www.alcionesortica.com/news/peneirando-estrelas/
  5. Fonte: Nada Além, Alcione Sortica, livro Peneirando Estrelas, 2012
  6. Fonte: Mar bobo, Alcione Sortica, livro Peneirando Estrelas, 2012
  7. Fonte: Areia, Alcione Sortica, livro Cacos do Tempo, 2005 - original http://movimentovirarteslg.blogspot.com.ar
  8. Fonte: Prece, Alcione Sortica, livro Cacos do Tempo, 2005 - original http://www.alcionesortica.com/news/prece/
  9. Fonte: Universo, Alcione Sortica, livro Cacos do Tempo, 2005 - original http://www.alcionesortica.com/news/universo/
  10. Fonte: Idade, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  11. Fonte: A vida, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  12. Fonte: A Terra, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  13. Fonte: Anarquia, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  14. Fonte: Momento, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  15. Fonte: Inverno, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  16. Fonte: O vendedor, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  17. Fonte: Regatos, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  18. Fonte: A vida, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  19. Fonte: A velhice, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  20. Fonte: Saudade, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  21. SORTICA, Alcione. Beira de Açude. I Edição. Papyrus. Florianópolis (SC), 2013.
  22. Fonte: Escada, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  23. Fonte: Lema, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  24. Fonte: Luta, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  25. Fonte: Idiomas, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  26. Fonte: O homem e o poeta, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  27. Fonte: Cônjuge, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  28. Fonte: Velhice, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  29. Fonte: Cães, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  30. Fonte: Desculpas, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  31. Fonte: Sorriso, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  32. Fonte: Velhice II, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  33. Fonte: Gênio, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  34. Fonte: Ler, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  35. Fonte: Sabido, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  36. Fonte: Moda, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  37. SORTICA, Alcione. Beira de Açude. I Edição. Papyrus. Florianópolis (SC), 2013.
  38. Fonte: Egoísta, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  39. Fonte: Pampa, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  40. Fonte: A Princesa e o Sapo, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  41. Fonte: Caos, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  42. Fonte: Espera, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  43. Fonte: Mapas, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  44. Fonte: Na vida, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  45. Fonte: Propaganda, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  46. Fonte: Vida, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)
  47. Fonte: Dias, Alcione Sortica, Jornal RS Letras, Edições 1 - 52, Porto Alegre (RS)

Ligações externas[editar]