Romain Rolland

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Romain Rolland
Romain Rolland
Romain Rolland em outros projetos:
Prêmio Nobel de Literatura (1915)

Romain Rolland (29 de janeiro de 1866 - 30 de dezembro de 1944). Novelista, biógrafo e músico francês.



  • "Quando a ordem é injusta, a desordem é já um princípio de justiça."
- Quand l'ordre est injustice, le désordre est déjà un commencement de justice.
- Théâtre de la révolution: Le 14 juillet; Danton; Les loups‎ - Página 36, Romain Rolland - Hachette et cie, 1909 - 358 páginas
  • "A felicidade está em conhecer os nossos limites e em apreciá-los"
- Le bonheur est de connaître ses limites et de les aimer.
- Jean-Christophe--La fin du voyage, Volume 3, Parte 1‎ - Página 155, Romain Rolland - P. Ollendorff, 1912
  • "Uma discussão é impossível com alguém que alegue não procurar a verdade, mas já a tem."
- Une discussion est impossible avec quelqu’un qui prétend ne pas chercher la vérité,mais déjà la posséder

Jean-Christophe[editar]

novela em 10 volumes, publicada entre 1904 e 1912

- Un héros, c'est celui qui fait ce qu'il peut.
  • " Para o homem cuja mente é livre existe algo ainda mais intolerável nos sofrimentos dos animais do que no sofrimento humano. Pois no ultimo é ao menos admitido que o sofrimento é mau e que quem o causa é um criminoso. No entanto milhares de animais são chacinados desnecessariamente sem o mínimo remorso. Se algum homem se for referir a isso, será considerado ridículo. – E esse é o crime imperdoável."
- Em Jean-Christophe
  • "A vida não é triste. Mas há momentos tristes na mesma.
- life is not sad," he said. " But there are sad moments in it.
- Jean-Christophe, Journey's End: Love and Friendship, the Burning Bush, the New Dawn, Volume 3 - página 72, Jean-Christophe, Romain Rolland, Romain Rolland, Wildside Press LLC, 2007, ISBN 1434482324, 9781434482327, 512 páginas

Sobre[editar]

  • Stefan Zweig, escritor austríaco contemporâneo e amigo de R. Roland, fala dele com grande admiração na sua autobiografia «O Mundo Que Eu Vi» (Die Welt von Gestern).