Paul Valéry

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paul Valéry
Paul Valéry
Paul Valéry em outros projetos:

Ambroise-Paul-Toussaint-Jules Valéry (30 de outubro de 1871, em Sète – 20 de julho de 1945, em Paris) foi um filósofo, escritor e poeta francês, da escola simbolista. Seus escritores incluem interesses em matemática, filosofia e música.


- Les vilaines pensées viennent du cœur.
- Œuvres I (1941), Paul Valéry, éd. Gallimard, coll. Bibliothèque de la Pléiade, 1957, chap. Instants, p. 376
  • "A meditação é um vício solitário que cava no aborrecimento um buraco negro que a tolice vem preencher".
- La méditation est un vice solitaire, qui creuse dans l'ennui un trou noir que la sottise vient remplir.
- Œuvres‎ - vol. II, Página 291, de Paul Valéry, Jean Hytier - Publicado por Gallimard, 1957
  • "Verdadeiramente bom só é o homem que nunca censura os outros pelos males que lhe acontecem."
- Véritablement bon est l'homme rare qui jamais ne blâme les gens des maux qui leur arrivent.
- Oeuvres‎ - Vol. 2, Página 512, de Paul Valéry - Gallimard, 1957
  • "Há uma espécie de reciprocidade entre a necessidade e o objecto que a satisfará. Não penso em beber; mas este copo ao meu alcance dá-me sede. Tenho sede e imagino o copo de água delicioso."
- SYMETRIE. Il y a une sorte de réciprocité entre le besoin et l'objet, (ou l'image de l'objet), qui le satisfera. Je ne pense pas à boire : mais ce verre à ma portée me donne soif. J'ai soif, et j'imagine le verre d'eau délicieux.
- Paul Ambroise Valery, TEL QUEL.., Volume 2, 1944, Gallimard
  • "Entre duas palavras, escolha sempre a mais simples."
- Entre deux mots, il faut choisir le moindre
- Commerce: Edições 19-21;Edições 19-21 - página 34, Paul Valéry, Léon-Paul Fargue, Valéry Larbaud - Kraus Reprint, 1929
- Plaire à soi est orgueil; aux autres, vanité.
- Mélange - página 185, Paul Valéry - Gallimard, 1941 - 244 páginas
  • "Os homens se diferenciam pelo que mostram, e se parecem pelo que escondem."
- Les hommes se distinguent par ce qu'ils montrent et se ressemblent par ce qu'ils cachent
- Mélange - página 107, Paul Valéry, Paul Valéry - Gallimard, 1941 - 244 páginas
  • "A História é o produto mais perigoso que a química do intelecto tem desenvolvido. As suas propriedades são bem conhecidas. Provoca sonhos, intoxica as pessoas, sobrecarrega-as com falsas memórias, exagera seus reflexos, mantém suas velhas feridas, a turbulência em seu descanso, leva a delírios de grandeza ou de perseguição, e faz das nações amargas, bonitas, vaidosas e insuportável.
- L’Histoire est le produit le plus dangereux que la chimie de l’intellect ait éla-boré. Ses propriétés sont bien connues. Il fait rêver, il enivre les peuples, leur en-gendre de faux souvenirs, exagère leurs réflexes, entretient leurs vieilles plaies, les tourmente dans leur repos, les conduit au délire des grandeurs ou à celui de la persécution, et rend les nations amères, superbes, insupportables et vaines.
- Regards sur le Monde Actuel, Paul Valery - 1931
  • “Peça desculpas quando agir bem; nada fere tanto.”
- Il faut toujours s'excuser de bien faire - rien ne blesse plus
- Moralités - página 45, Paul Valéry - Gallimard, 1932 - 161 páginas
  • "Duas coisas ameaçam o mundo: A ordem e a desordem".
- Deux dangers ne cessent de menacer le monde ; l'ordre et le désordre
- Oeuvres de Paul Valery: Variété - página 20, Paul Valéry - Éditions du Sagittaire, 1934
  • "O homem sério tem poucas idéias. Um homem de idéias nunca é sério."
- Un homme sérieux a peu d'idées. Un homme à idées n'est jamais sérieux.
- Mauvaises pensées & autres - página 108, Paul Valéry, Paul Valéry - Gallimard, 1942 - 223 páginas
  • "Um grande homem é aquele que morre duas vezes. Primeiro, como homem; e depois, como grande homem".
- Les grands hommes meurent deux fois, une fois comme hommes, et une fois comme grands.
- Cahier B 1910 - página 79, Paul Valéry, Paul Valéry - Gallimard, 1926 - 83 páginas
  • "O homem é absurdo por aquilo que busca, grande por aquilo que encontra".
- L'homme est absurde par ce qu'il cherche et grand par ce qu'il trouve
- The Collected Works of Paul Valéry - Página 369, Paul Valéry - Taylor & Francis, 1900
  • "É cómodo cortar ou coroar uma cabeça, mas, pensando bem, torna-se ridículo. Isso é acreditarmos que essa cabeça encerra em si uma causa primeira".
- Il est commode de couper ou de couronner une tête, mais dérisoire à la réflexion. C'est croire que cette tête enferme une Cause Première.
- Commerce: Edições 22-24 - página 46, Paul Valéry, Léon-Paul Fargue, Valéry Larbaud - Kraus Reprint, 1929
  • "Um chefe é um homem que precisa dos outros".
- Un chef est un homme qui a besoin des autres.
- Paul Valéry: prose et vers - página 142, Paul Valéry, Henri Peyre, Paul Valéry - Blaisdell Pub. Co., 1968 - 209 páginas
  • "Um homem competente é um homem que se engana segundo as regras".
- homme compétent devient un homme qui se trompe, mais qui se trompe dans toutes les règles
- Variété: Volume 3 - página 277, Paul Valéry - Gallimard, 1950

Atribuídas[editar]

  • "Cada gota de silêncio é a chance para que um fruto venha a amadurecer".
- Chaque goutte de silence est la chance d'un fruit mûr
- Paul Valéry citado em La Revue universelle: Volume 1 - página 285, Jacques Bainville - Plon-Nourrit, 1920
  • "Quantas coisas é preciso ignorar para agir!"
- Fonte: Citações da Cultura Universal - Página 21, Alberto J. G. Villamarín, Editora AGE Ltda, 2002, ISBN 8574970891, 9788574970899


Question book-3.svg Este artigo ou secção não cita as suas fontes ou referências. Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes.
  • "Sabe qual a definição da beleza? É fácil: é tudo aquilo que desespera" [carece de fontes?]
  • "Elegância é a arte de não se fazer notar, aliada ao cuidado sutil de não se deixar distinguir." [carece de fontes?]
  • "A Dança é, na minha opinião, muito mais do que um exercício, um divertimento, um ornamento, um passatempo social; na verdade, é uma coisa até séria e, sob certo aspecto, mesmo, uma coisa sagrada. Cada era que compreendeu a importância do corpo humano, ou que, pelo menos, teve a noção sensorial de sua estrutura, de seus requisitos, de suas limitações e da combinação de genialidade que lhe são inerentes, cultivou, venerou a Dança". [carece de fontes?]