Milton Friedman

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Milton Friedman
Milton Friedman
Milton Friedman em outros projetos:
Prêmio Nobel de economia (1976)

Milton Friedman (31 de julho de 1912 - 16 de novembro de 2006); foi um dos mais destacados economistas do século XX e um dos mais influentes teóricos do liberalismo econômico. Principal apóstolo da Escola Monetarista e membro da Escola de Chicago, além de defensor do laissez faire e do mercado livre, Friedman foi conselheiro do governo chileno de Augusto Pinochet e muitas de suas ideias foram aplicadas na primeira fase do governo Nixon e em boa parte do governo Reagan.


Com fontes[editar]

  • "O poder para fazer coisas certas é também poder para fazer coisas erradas; os que controlam o poder hoje podem não ser os mesmos de amanhã; e, ainda mais importante, o que um indivíduo considera bom pode ser considerado mau por outro." (Milton Friedman)
  • Introd. de "Capitalismo e Liberdade".


  • "Se o governo deve exercer poder, é melhor que seja no condado do que no estado; e melhor que seja no estado do que em Washington. Se eu não gostar do que minha comunidade faz em termos de organização escolar ou habitacional, posso mudar para outra e, embora muito poucos possam tomar esta iniciativa, a possibilidade como tal já constitui um controle. Se não gostar do que faz o meu estado, posso mudar-me para outro. Se não gostar do que Washington impõe, tenho muito poucas alternativas neste mundo de nações ciumentas." (Milton Friedman)
  • Introd. de "Capitalismo e Liberdade".


  • "A existência de um mercado livre não elimina, evidentemente, a necessidade de um governo. Ao contrário, um governo é essencial para a determinação das 'regras do jogo' e um árbitro para interpretar e pôr em vigor as regras estabelecidas. O que o mercado faz é reduzir sensivelmente o número de questões que devem ser decididas por meios políticos - e, por isso, minimizar a extensão em que o governo tem que participar diretamente do jogo." (Milton Friedman)
  • Cap. 1 "A relação entre liberdade econômica e liberdade política" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "Vista como um meio para a obtenção da liberdade política, a organização econômica é importante devido ao seu efeito na concentração ou dispersão do poder. O tipo de organização econômica que promove diretamente a liberdade, isto é, o capitalismo competitivo, também promove a liberdade política porque separa o poder econômico do poder político e, permite que um controle o outro." (Milton Friedman)
  • Cap. 1 "A relação entre liberdade econômica e liberdade política" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "Liberdade política significa ausência de coerção de um homem pelo seu compatriota. A ameaça fundamental à liberdade é o poder de coagir, esteja ele nas mãos de um monarca, de um ditador, de uma oligarquia ou de uma maioria momentânea." (Milton Friedman)
  • Cap. 1 "A relação entre liberdade econômica e liberdade política" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "Enquanto a liberdade efetiva de troca for mantida, a característica central da organização de mercado da atividade econômica é a de impedir que uma pessoa interfira com a outra no que diz respeito à maior parte de suas atividades. De fato, uma objeção importante levantada contra a economia livre consiste precisamente no fato de que ela desempenha essa tarefa muito bem. Ela dá às pessoas o que elas querem e não o que um grupo particular acha que devem querer. Subjacente a maior parte dos argumentos contra o livre mercado está a ausência da crença na liberdade como tal." (Milton Friedman)
  • Cap. 1 "A relação entre liberdade econômica e liberdade política" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "Um governo que mantenha a lei e a ordem; defina os direitos de propriedades; sirva de meio para a modificação dos direitos de propriedade e de outras regras do jogo econômico; julgue disputas sobre a interpretação das regras; reforce contratos; promova a competição; forneça uma estrutura monetária; envolva-se em atividades para evitar monopólio técnico e evite os efeitos laterais considerados como suficientemente importantes para justificar a intervenção do governo; suplemente a caridade privada e a família na proteção do irresponsável, quer se trate de um enfermo mental ou de uma criança; um tal governo teria, evidentemente, importantes funções a desempenhar. O liberal consistente não é um anarquista." (Milton Friedman)
  • Cap. 2 "O papel do governo numa sociedade livre" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "O liberal teme fundamentalmente a concentração do poder. Seu objetivo é o de preservar o grau máximo de liberdade para cada indivíduo em separado - compatível com a não-interferência na liberdade de outro indivíduo. Acredita o liberal que este objetivo exige que o poder seja dispersado. Não vê com bons olhos entregar ao governo qualquer operação que possa ser executada por meio do mercado - primeiro porque tal fato substituiria a cooperação voluntária pela coerção na área em questão e segundo porque dar ao governo um poder maior é ameaçar a liberdade em outras áreas." (Milton Friedman)
  • Cap. 3 "Controle do dinheiro" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "O monopólio existe quando um indivíduo ou empresa específica tem controle suficiente sobre determinado produto ou serviço para estabelecer de modo significativo os termos em que outros indivíduos terão acesso a ele." (Milton Friedman)
  • Cap. 8 "Monopólio e a responsabilidade social do capital e do trabalho" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "Há poucas coisas capazes de minar tão profundamente as bases de nossa sociedade livre do que a aceitação por parte dos dirigentes das empresas de uma responsabilidade social que não a de fazer tanto dinheiro quanto possível para seus acionistas. Trata-se de uma doutrina fundamentalmente subversiva. Se homens de negócios têm outra responsabilidade social que não a de obter o máximo de lucro para seus acionistas, como poderão eles saber qual seria ela? Podem os indivíduos decidirem o que constitui o interesse social? Podem eles decidirem que carga impor a si próprios e a seus acionistas para servir ao interesse social? É tolerável que funções públicas, como imposição de impostos, despesas e controle, sejam exercidas pelas pessoas que estão no momento dirigindo empresas particulares, escolhidas para estes postos por grupos estritamente privados? Se os homens de negócios são servidores civis e não empregados de seus acionistas - então, numa democracia, eles serão, cedo ou tarde, escolhidos pelas técnicas públicas de eleições e denominações." (Milton Friedman)
  • Cap. 8 "Monopólio e a responsabilidade social do capital e do trabalho" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "A despeito de tudo o que dizemos sobre 'mérito' em comparação com 'sorte', estamos geralmente muito mais dispostos a aceitar as desigualdades que resultam da sorte do que as que resultam claramente do mérito. O professor universitário sentirá inveja de um colega que tenha ganho um grande prêmio nas corridas, mas não se sentirá por isso injustiçado ou humilhado. Mas, se o colega receber pequeno aumento de ordenado que tome seu salário um pouco maior do que o que recebe, o professor sentir-se-á logo magoado e desmerecido. Afinal de contas, a deusa da sorte, como a da justiça, é cega. O aumento foi um julgamento deliberado de mérito relativo." (Milton Friedman)
  • Cap. 10 "Distribuição de renda" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "O princípio central de uma economia de mercado é a cooperação através de troca voluntária. Os indivíduos cooperam entre si porque podem, desta forma, satisfazer suas necessidades de modo mais efetivo. Mas, a não ser que um indivíduo receba na base do que acrescenta ao produto, ele participará da troca na base do que puder receber e não do que puder produzir. Não haverá trocas mutuamente proveitosas se cada uma das partes receber apenas o correspondente à sua contribuição para o produto final. O pagamento de acordo com o produto é, portanto, necessário para que os recursos sejam usados de modo altamente efetivo, pelo menos sob um sistema que depende de cooperação voluntária." (Milton Friedman)
  • Cap. 10 "Distribuição de renda" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "O Estado pode legislar um nível de salário mínimo, mas dificilmente pode levar os empregadores a contratar por esse mínimo os que estavam empregados anteriormente com salários mais baixos. Não é, evidentemente, do interesse dos empregadores fazê-lo. O efeito do salário mínimo é, portanto, o de tornar o desemprego maior do que seria em outras circunstâncias. Até onde baixos níveis de salário são de fato sinal de pobreza, as pessoas que ficam desempregadas são precisamente aquelas que menos podem perder a renda que recebiam até então, por menor que parecesse às pessoas que votaram as leis do salário mínimo." (Milton Friedman)
  • Cap. 11 "Medidas para o bem-estar social" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "Os argumentos contra a nacionalização do processo de venda das anuidades (seguro social) são bastante fortes, não só em termos dos princípios liberais, mas também em termos dos valores expressos pelos proponentes das medidas em questão. Se realmente acreditam que o governo está em condições de oferecer tais serviços em nível superior em comparação com o mercado, deveriam ser favoráveis à participação de empresas privadas em comparação com as do Estado. Se estiverem certos, as empresas do governo progredirão. Se estiverem errados, o bem-estar do povo será mais bem atendido pelo fato de existir a alternativa privada." (Milton Friedman)
  • Cap. 11 "Medidas para o bem-estar social" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "Aqueles, dentre nós, que acreditam em liberdade devem crer também na liberdade dos indivíduos de cometer seus próprios erros. Se um homem prefere, conscientemente, viver o dia de hoje, usar seus recursos para se divertir, escolhendo deliberadamente uma velhice de privações, com que direito podemos impedi-lo de agir assim? Podemos argumentar com ele, tentar persuadi-lo de que está errado. Mas podemos usar a coerção para impedi-lo de fazer o que deseja fazer? Não existirá a possibilidade de que esteja ele certo e nós errados? A humildade é a virtude que distingue o indivíduo que acredita na liberdade; a arrogância é a que distingue o paternalista." (Milton Friedman)
  • Cap. 11 "Medidas para o bem-estar social" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "A essência da filosofia liberal é a crença na dignidade do indivíduo, em sua liberdade de usar ao máximo suas capacidades e oportunidades de acordo com suas próprias escolhas, sujeito somente à obrigação de não interferir com a liberdade de outros indivíduos fazerem o mesmo." (Milton Friedman)
  • Cap. 12 "Problema da pobreza" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "O liberal fará uma distinção clara entre igualdade de direitos e igualdade de oportunidades, de um lado, e igualdade material ou igualdade de rendas, de outro. Pode considerar conveniente que uma sociedade livre tenda, de fato, para uma igualdade material cada vez maior. Mas considerará esse fato como um produto secundário desejável de uma sociedade livre - mas não como sua justificativa principal." (Milton Friedman)
  • Cap. 12 "Problema da pobreza" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "O erro central das medidas governamentais reside no fato de tentarem, por meio da coerção, obrigar as pessoas a agir contra seus interesses imediatos a fim de promoverem um suposto interesse geral. Tentam resolver o que se supõe um conflito de interesses, ou uma diferença de pontos de vista com relação a interesses, não por meio de uma estrutura que elimine o conflito ou tentando persuadir as pessoas a ter interesses diferentes, mas forçando as pessoas a agir contra seu próprio interesse. Substituem os valores dos participantes pelos que estão de fora; alguns dizendo a outros o que é bom para eles ou o governo tirando de alguns para beneficiar outros. Estas medidas enfrentam, portanto, umas das mais poderosas e mais criativas forças conhecidas pelo homem - a tentativa de milhões de indivíduos de defender seus interesses, de viver suas vidas de acordo com seus próprios valores." (Milton Friedman)
  • Cap. 13 "Conclusão" de "Capitalismo e Liberdade".


  • "A sociedade que coloca a igualdade à frente da liberdade irá terminar sem igualdade e liberdade." (Milton Friedman)
- From Created Equal, the last of the Free to Choose television series (1990, Volume 5 transcript).


  • (...)"Existem apenas quatro maneiras de você poder gastar seu dinheiro. Você pode gastá-lo com você mesmo. Quando você faz isso, e você pode realmente ver o que está fazendo com ele, você tenta usá-lo da melhor forma possível. Mas você pode gastar seu dinheiro com outra pessoa. Por exemplo, eu compro um presente de aniversário para alguém. Bem, eu não estou preocupado com a eficácia satisfatória do presente, mas estou atento quanto ao seu custo. Então, eu posso gastar o dinheiro alheio comigo mesmo. E se eu gasto o dinheiro alheio comigo mesmo, então eu tenho certeza de que terei um bom almoço! Finalmente, eu posso gastar o dinheiro de alguém com outro alguém. E se eu gasto o dinheiro de alguém com outro alguém, eu não me importo com o custo e não me importo com o que conseguirei satisfazer. E isso é o governo. E isso é cerca de 40% do PIB." (Milton Friedman)
ASMAN,David . Free to choose: Transcrição da entrevista com o economista Milton Friedman realizada em 15/5/2004. Your World, Fox News, 16/11/2006


  • "Geralmente a solução do governo para um problema é tão ruim quanto o próprio problema." (Milton Friedman)
- "I think the government solution to a problem is usually as bad as the problem and very often makes the problem worse."
- "An economist's protest" - página 6, Milton Friedman - T. Horton, 1975, ISBN 0913878073, 9780913878071 - 318 páginas


  • "Por que não correr riscos? Eles sabiam que seriam resgatados se algo desse errado." (Milton Friedman)
- Milton Friedman, economista e prêmio Nobel, sobre a crise nos países asiáticos; citado em Revista Veja de 23/12/98.

Atribuídas[editar]

  • "O governo nunca aprende, as pessoas é que aprendem".
- Governments never learn. Only people learn.
- citado em "The Defense Travel System: Boon Or Boondoggle" - Página 1, DIANE Publishing, 2005, ISBN 1422332500, 9781422332504
  • "Nós temos um sistema (político) que aumenta impostos sobre o trabalho e subsidia o não-trabalho."
- We have a system that increasingly taxes work and subsidizes nonwork.
- citado em "U.S. news & world report: Volume 82", U.S. News Pub. Corp., 1977
  • "O único modo que já se descobriu de ter muitas pessoas cooperando entre si voluntariamente é através do livre mercado. É por isso que é tão essencial preservar a liberdade individual."
- The only way that has ever been discovered to have a lot of people cooperate together voluntarily is through the free market. And that's why it's so essential to preserving individual freedom
- citado em "Introduction to air transport economics: from theory to applications" - Página 29, Bijan Vasigh, Tom Tacker, Ken Fleming - Ashgate Publishing, Ltd., 2008, ISBN 0754670791, 9780754670797 - 358 páginas

Erroneamente atribuídas[editar]

  • "Não existe tal coisa de 'almoço grátis'."
(Uma das citações mais divulgadas atribuídas a Friedman, mas que não é de sua autoria. Por vezes também atribuída, erroneamente, a Robert A. Heinlein. Essa frase data, pelo menos, da década de 1930).
  • "Ninguém gasta o dinheiro de outras pessoas tão cuidadosamente quanto gasta o seu próprio. Ninguém usa os recursos de outros tão zelosamente quanto usa os seus. Se você quer eficiência e efetividade, se você quer que o conhecimento seja apropriadamente utilizado, então você tem de fazê-lo por meio da propriedade privada."
(Versão muito popular, que circula na internet, mas que foi alterada e teve seu significado distorcido, baseada nas palavras ditas por Friedman no 'Fox News interview', em 15 de maio de 2004. As palavras corretas estão reproduzidas na secçao "com fontes")