Jacques Chirac

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jacques Chirac
Jacques Chirac
Jacques Chirac em outros projetos:

Jacques René Chirac (Paris, 29 de novembro de 1932) é um político francês.


  • "Se o presidente Bush realmente falou o que li, não apenas falou demais, como invadiu território alheio. É como se eu dissesse de que maneira os Estados Unidos devem agir nas relações com o México."
Então como presidente francês, sobre as declarações do colega americano tentando apressar o futuro ingresso da Turquia na União Européia; citado em Revista Veja, 07.07.04.
  • "A única coisa que os britânicos fizeram pela agricultura européia foi a vaca louca. Não dá para confiar em pessoas que têm uma cozinha tão ruim".
Então como presidente francês, fazendo piada em conversa com o chanceler alemão, Gerhard Schroeder, e o presidente russo, Vladimir Putin. Apud: Revista Veja, 13 de julho de 2005
  • "Não há categorias de franceses. Só há cidadãos livres e iguais em direitos, e quando alguém comete delito ou crime é um delinqüente ou um criminoso. É o que diz lei. Esses são os termos que é preciso empregar. Isso é a República."
Então como presidente francês, criticando o ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, que chamou os jovens baderneiros que aterrorizaram as noites das cidades francesas de "escória" . Citado na Revista VEJA Edição 1936, de 21 de dezembro de 2005
  • Introdução ao discurso pronunciado no Congresso que fundou o partido RPR em 5 de dezembro de 1976 :
“Amigos antigos e novos, eu vos saúdo. Estamos aqui reunidos para testemunhar que o povo da França, como tem sempre feito nas horas difíceis, reúne-se e reencontra-se. Nossa história é a de uma nação da velha Europa que deu ao mundo moderno o essencial de seus valores, que nunca cedeu quando estavam ameaçados, que soube fazer disso patrimônio de cada um. Sobre estes valores fundamos nosso prestígio, exaltamos nossa unidade. Construímos o ideal de uma sociedade de liberdade, afirmando a dignidade e a responsabilidade de seus membros. Quem reconhecerá tais exigências no seio da imensa maioria de nossos concidadãos, que valem todos os sacrifícios, quando estão ameaçadas? Ora, as ameaças se acumulam. É tempo de ter clara consciência disso”.
  • ”Le Monde”, 19 de Janeiro de 1985 :
“A França é potência muçulmana e uma sociedade multicultural”.
  • Debate televisionado de 27 de outubro de 1985 , quando das campanhas legislativas de 1986 :
“Você é tinhoso, senhor Fabius!”, e Fabius responde: “Senhor Chirac, o senhor deveria mudar de tom, está falando com o Primeiro-ministro da França!”
  • Reunião de cúpula européia de Bruxelas em fevereiro de 1988 :
”Mas o que é que ela quer mais, esta dona-de-casa? Minhas bolas numa bandeja?” Tai incidente diplomático apareceu na primeira página na imprensa britânica. The Sun intitula : “Primeiro-ministro francês tem a boca suja”. Durante uma noite inteira, tradutores oficiais e intérpretes interrogaram-se para saber se Chirac tinha chamado a senhora Thatcher de “dona-de-casa” ou de “bolas”.
  • Debate eleitoral entre os dois turnos da eleição presidencial de 1988 :
Chirac : “Permita-me somente dizer, que, esta noite, não sou o Primeiro-ministro e o senhor não é o Presidente da República. Somos dois candidatos, em igualdade. Permita-me, então, que eu o chame senhor Mitterrand.”
François Mitterrand : “Tem toda razão, senhor Primeiro-ministro.”
  • Discurso em Orléans em 19 de junho de 1991 :
”Como querem que reaja o operário francês que trabalha, assim como sua mulher, e juntos ganham ao redor de 15 000 francos e vêem na casa ao lado de seu “HLM” (habitação de baixo custo), uma família com um pai de família, três ou quatro esposas e 20 crianças, que ganha 50 000 francos de pensão sem trabalhar? Se juntarem a isso o barulho e o cheiro, eh bem, o trabalhador francês fica doido. E não é ser racista dizer isso. Não temos mais os meios de honrar o reagrupamento familiar e é preciso finalmente abrir o debate que se impõe em nosso país, um verdadeiro debate moral para saber se é legítimo que estrangeiros possam beneficiar da mesma maneira que os franceses da solidariedade nacional na qual eles não participam já que não pagam impostos.» Esta frase na época fez escândalo, sendo regularmente invocada por seus opositores, entre os quais a canção “Le bruit et l’odeur” de Zebda.
  • L’Express” em 15 de junho de 1994
“ Ninguém pensa que eu refleti”.
  • Em 16 de setembro de 1998
“Basta esperar. Jospin vai falhar. É a lei de coabitação, sou pago para saber disso.”
Chirac tinha suportado com dificuldade a coabitação com Mitterrand. Como ele, Jospin estava segura de sua situação e persuadido de vencer.
  • “Le Parisien”. Em 10 de maio de 2000.
“Opor-se, é como andar de bicicleta, quando se pára de pedalar, cai-se”.
  • Sobre o caso “Méry”. Em setembro de 2000
abracadabrantesco
Reação de Chirac ao falar numa entrevista televisionada sobre o caso da fita cassete de Jean-Claude Méry. A palavra figura num poema de Arthur Rimbaud, segunda estrofe de “Coeur supplicié”, também chamado “o coração roubado» ou “o coração do palhaço”, e pode ser considerado como um hápax no fim do século XX. Foi cochichada a Chirac por Dominique de Villepin.
  • Outros seletos trechos
“Isso me põe em relação com uma sem fazer mexer a outra.”
“Gosto de muitas coisas além de futebol e cerveja.”
“Dão-se os presentes antes das eleições e se definem os impostos logo depois.” Em 26 de maio de 1981.
“As previsões são difíceis, sobretudo quando dizem respeito ao futuro.”
“Minha mulher é um homem político.”
“Pode-se ficar ativo depois de uma boa cerveja.”
“Prejudiquei mesmo assim os socialistas.” Em 22 de abril de 2002.
“Eu sou anti-caçador. Mas eu os compreendo: se uma lebre os ataca, é mesmo preciso que se defendam.” Em 10 de março de 1994
“Não adiro à SFIO, tem muitos conservadores”.
“Em 1994 poderemos nos banhar de novo no Sena. E serei o primeiro a fazê-lo.” Em 28 de novembro de 1988.