George Eliot

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Ir para: navegação, pesquisa
George Eliot
George Eliot
George Eliot em outros projetos:

George Eliot, pseudônimo de Mary Ann Evans (22 de novembro de 1819 - 22 de dezembro de 1880), novelista inglesa.



  • "Ninguém pode ser sábio de estômago vazio."
- No man can be wise on an empty stomach
-Fontes: Adam Bede (1859), Chapter XXI; Revista Caras, Edição 665.
  • "Qual a razão de viver se não for para tornar a vida menos difícil para os outros?"
- What do we live for, if not to make life less difficult for each other?
- Middlemarch (1871), Chapter 72
  • "Queremos que as pessoas sintam o mesmo que nós, mais do que ajam por nós."
- We want people to feel with us more than to act for us.
- George Eliot's Works‎ - Página 312, de George Eliot - Publicado por Estes and Lauriat, 1895
  • "A infância só é bonita e feliz quando lembramos dela em retrospecto: para a criança é cheia de tristezas cujo significado é desconhecido".
- Childhood is only the beautiful and happy time in contemplation and retrospect : to the child it is full of deep sorrows, the meaning of which is unknown
- George Eliot's Works‎ - Página 94, de George Eliot - Publicado por Estes and Lauriat, 1895
  • "A primeira condição da bondade humana é a de que existe algo digno de amar; a segunda, algo para reverenciar".
- The first condition of human goodness is something to love; the second, something to reverence
- Novels of George Eliot: Scenes of Clerical Life and Silas Marner‎ - Página 255, de George Eliot - Publicado por Harper & brothers, 1903 - 497 páginas
  • "Abençoada é a influência de uma verdade: uma alma humana apaixonada por outra".
- Blessed is the influence of one true, loving human soul on another.
- Scenes of Clerical Life (1858), Book 3, Chapter 19
Abençoado o homem que nada tendo a dizer, abstém-se de dar em palavras a evidência desse fato. George Eliot
  • "Abençoado quem se abstém de falar, nos poupando da evidência de que não tem nada a dizer".
- Blessed is the man who, having nothing to say, abstains from giving us wordy evidence of the fact.
- Impressions of Theophrastus Such, Chapter IV
  • "Nada é tão bom como parece à primeira vista".
- Nothing is so good as it seems beforehand.
- Silas Marner (1861), Chapter 18
  • "Não nego que as mulheres sejam bobas: Deus, Todo-Poderoso, as fez para se equipararem aos homens".
- I'm not denyin' the women are foolish. God Almighty made 'em to match the men
- Adam Bede (1859), Chapter LIII
- In the man whose childhood has known caresses, there is always a fiber of memory that can be touched to gentle issues
- Scenes of clerical life - Página 145, George Eliot - William Blackwood and Sons, 1858
  • "Nunca choverão rosas: se quisermos mais rosas, teremos de plantar mais árvores."
- It will never rain roses: when we want to have more roses we must plant more trees
- The Spanish Gypsy: A Poem‎ - Página 206, de George Eliot - Publicado por Ticknor and Fields, 1868 - 287 páginas
  • "Para que nós vivemos a não ser para tornarmos a vida menos difícil para os outros?"
- What do we live for, if it is not to make life less difficult to each other?
- Middlemarch (1871), Chapter 72
  • "Que solidão é mais solitária que a desconfiança?"
- What loneliness is more lonely than distrust?
- Middlemarch (1871), Chapter 44
  • "Não existe desespero tão absoluto quanto aquele que surge nos primeiros momentos de nosso primeiro grande sofrimento, quando não conhecemos ainda o que é ter sofrido e ser curado, ter se desesperado e recuperado a esperança."
- there is no despair so absolute as that which comes with the first moments of our first great sorrow, when whe have not yet known what it is to have suffered and be healed, to have despaired and to have recovered hope.
- Adam Bede: Volume 2 - Página 60, George Eliot - Tauchnitz, 1859
  • "Abençoado o homem que, não tendo nada a dizer, se abstém de demonstrá-lo em palavras evidencias de fato."
- Blessed is the man who, having nothing to say, abstains from giving us wordy evidence of the fact
- Theophrastus Such, Jubal and other poems and The Spanish gypsy - Página 47, George Eliot - Belford, 1839 - 504 páginas